Provavelmente quando pensa em saúde íntima associa-a à sua higiene íntima e aos produtos que utiliza — mas está longe de ser só isso. As infeções vaginais são um problema frequente entre as mulheres de todos os grupos etários. É precisamente por isso que três mulheres se vão juntar para falar sobre saúde íntima, sem tabus e, acima de tudo, sem filtros.

Beatriz Gosta, humorista e criadora de conteúdos digitais, Susana Chaves, diretora do site Miranda by SAPO e Patrícia Isidro Amaral, médica ginecologista-obstetra, vão falar de forma descontraída e transparente sobre saúde íntima feminina na talk “Pipi sem filtros”. A conversa, promovida pela Bayer, farmacêutica especialista em saúde íntima feminina e no tratamento de infeções vaginais, estará disponível num site desenvolvido especialmente a pensar nas mulheres portuguesas.

É cada vez mais importante empoderar as mulheres para tomarem o controlo da sua saúde íntima, rompendo com algumas ideias feitas, muitas delas erradas, e promovendo a discussão do tema de forma descontraída e sem tabus.

Estima-se que cerca de 75% das mulheres contraem candidíase, pelo menos uma vez na vida, e muitas podem, inclusive, sofrer deste problema de forma recorrente. Apesar de a maioria das mulheres estar familiarizada com a candidíase e os seus sintomas, apenas 30% ouviu falar de vaginose bacteriana. Esta é a infeção vaginal mais comum nas mulheres em idade fértil, sendo duas vezes mais frequente do que a candidíase. As infeções vaginais são um problema frequente entre as mulheres de todos os grupos etários. Nunca é boa ideia não falar do assunto e esperar que desapareçam.

É importante que cada mulher conheça o seu corpo, esteja atenta aos sintomas, e consiga identificar os sinais que este lhe vai dando ao longo da sua vida.

Assista à talk a partir do dia 22 de novembro, através deste link.

A Bayer ajuda-a a tomar o controlo da sua saúde íntima. Com apenas 3 perguntas consegue identificar qual a infeção vaginal de que pode estar a sofrer e encontrar o tratamento adequado.​ Saiba mais aqui.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.