Esta segunda-feira à noite, 18 de novembro, fui ver a meteorologia para o dia seguinte e, como era de prever, precisamente no dia em que me esperavam 13,9 quilómetros e 19.094 passos, a previsão era de chuva moderada. Mesmo assim, de chapéu de chuva na mão e com uma tote bag por encher, dei início à minha aventura ao estilo do filme "À Procura do Nemo", mas numa versão mais moderna — "À Procura do Bagel".

Cheguei a Lisboa às 8h50 do dia seguinte e, com 12 locais de bagels pela frente, decidi tentar arranjar um plano eficaz: fazer o menor percurso, no menor tempo possível e com o meio mais económico para chegar até ao primeiro ponto: o Delibar, no Parque das Nações.

Descobri a opção de transporte perfeita quando me cruzei com uma bicicleta elétrica. Nunca tinha andando, não fazia a menor ideia de como funcionava ou do valor de uma viagem. Decidi arriscar: seria sempre mais rápido e em conta do que o metro, autocarro ou uma qualquer plataforma de transporte. 

Não andava de bicicleta há cerca de quatro anos. Tentei apanhar o jeito e segui caminho. Àquela hora os clientes pediam os muffins vegan ou as taças de açaí do Delibar. Já eu, só queria o bagel simples e sem recheio. Foi o primeiro (de muitos) sítios onde perguntaram: "Não quer mesmo rechear com nada?".

Ranking MAGG. Descobrimos os 10 melhores croissants simples de Lisboa
Ranking MAGG. Descobrimos os 10 melhores croissants simples de Lisboa
Ver artigo

Numa situação normal talvez optasse por acompanhar o bagel com salada, húmus caseiro ou queijo creme, mas um verdadeiro amante de bagel avalia-o pela massa. É o mesmo que pedir uma pizza cuja massa não é estaladiça e vem até gordurenta. Não há recheio que a salve.

Raffi's Bagels, Choupana, Fábrica dos Sabores. Delidelux, Mercearia da Mila, Nicolau, The Wave Factory, Bar do Clube — LRC ou do Brooklyn Lisboa. O que é que têm em comum? Fizeram todos parte do pré-ranking da MAGG para eleger os 10 melhores bagels de Lisboa. Da minha lista só saí de mãos a abanar do Wish Slow Coffee House, que preferiu não participar no ranking por considerar que não é a especialidade da casa. Já o Brooklyn Lisboa ficou lado a lado com o Raffi's Bagels porque o funcionário explicou-nos que era neste último que iam buscar os seus bagels.

Eram 14h50 quando cheguei à redação e, sem almoço tomado, estava mais do que na altura de começar a comer. Os critérios foram tão simples como os bagels: a textura, o sabor do pão, o facto de ser ou não demasiado doce ou salgado e a combinação do pão com as sementes. O preço não foi um dos critérios, porque varia conforme o recheio de cada estabelecimento.

O resultado está aqui. Mostramos-lhe os 10 melhores bagels de Lisboa, do pior para o melhor.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.