É como se diz: ano novo, vida nova. A expressão ainda passou a fazer mais sentido depois de termos descoberto que o começo de um mais um ciclo de 365 dias (neste caso, 366) é também marcado por uma efeméride que, à partida, nos soa a premonição de tempos atribulados.

Dia 6 de janeiro, explica o "The Independent", é conhecido como sendo o Dia do Divórcio. A data surgiu há alguns anos e nasce de um padrão que se repete anualmente neste mês: de acordo com sociedades de advogados, há um pico de casais a darem início a processos de divórcio.

Ainda que não aconteça sempre no mesmo dia do mês, esta tendência tende a ser mais comum na primeira segunda-feira de janeiro. Em causa estará a vontade dar início a uma vida nova, acreditam os advogados.

A tendência verificou-se em 2019: a Relate, uma organização de apoio a relacionamentos — seja para aconselhamento de parentalidade, casais LGBT, de casamento ou divórcio —, notou um aumento significativo na procura dos seus serviços no início da época festiva. E, nos três primeiros dias úteis de janeiro, aumentou as visitas ao site em 84%, face aos números de 2018.

Divórcio. Quando os miúdos têm duas casas
Divórcio. Quando os miúdos têm duas casas
Ver artigo

Em 2017, a tendência já se fazia notar, ainda que numa percentagem menor: em janeiro desse ano, a organização terá notado um aumento de 24% nas chamadas recebidas na linha de apoio, comparativamente aos meses anteriores.

"A primeira segunda-feira de janeiro é quando advogados e escritórios de advocacia recebem uma onda de novos processos de casais a quererem pedir o divórcio", afirmou Relate, citada pela jornal inglês.

Há mais dados que comprovam a existência deste Dia (ou mês) do Divórcio: o serviço de apoio Amicable descobriu que, em 2018, 40.500 mil pessoas pesquisaram online pela palavra "divórcio".

"Os relacionamentos que, por algum motivo, já estão em tensão finalmente quebram quando os casais são forçados a passar mais tempo em conjunto", explicou ao "The Independent", Amanda McAlister, de uma sociedade de advogados especializada em direito da Família.

Não é que os casais em janeiro sejam invadidos por uma epifania. A ideia para o divórcio já lá está a germinar. Só que o primeiro mês do ano será a altura ideal para o concretizar: além de permitir dar início a um novo capítulo da vida, não convém dar a má notícia no Natal e estragar a festa a todos.

"Muitos casais esperam até o final da época festiva, para evitar estragar as férias de filhos, famílias extensas ou até mesmo de seu futuro ex-cônjuge durante o período de férias", finaliza a advogada.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.