Tem 24 anos mas não lhe faltam certezas. Sabe que não quer ser mais uma na indústria da moda e que, ainda que natural de Sintra, é na pacatez da Serra da Estrela que se vê a trabalhar. "O único problema é o verão muito quente. Mas nessa altura vimos trabalhar mais cedo, fazemos uma pausa à tarde para ir ao rio e voltamos ao trabalho ao fim da tarde. Com isto, quem é que quer voltar ao trânsito da Segunda Circular?", explica Cristiana Costa.

Covilhã foi a cidade escolhida para o curso de Design de Moda, mas rapidamente deixou de ser apenas a cidade universitária que a iria acolher por três anos. Ainda durante o curso, percebeu que queria pôr aquela gente a mexer e envolver a comunidade numa marca que criou para marcar a diferença. "A parte social da produção sempre foi muito importante para mim e, por isso, quando idealizei a Näz, sabia que, além do design, a marca tinha que ser sustentável a todos os níveis", explica. E esses níveis vão desde o custo justo dos produtos à preocupação em dar trabalho a indústrias mais pequenas.

Zouri. A marca portuguesa que transforma lixo das praias em ténis com pinta
Zouri. A marca portuguesa que transforma lixo das praias em ténis com pinta
Ver artigo

Aquilo que começou por ser um projeto de curso, acabou por ser uma das primeiras marcas de roupa sustentáveis a lançar-se no mercado português, em 2017, e agora, além de ter acabado de lançar também uma linha masculina, apresenta um site onde, além de fazer compras, o cliente pode ficar a saber ao pormenor tudo o que aconteceu com a peça de roupa que escolhe pôr no carrinho de compras virtual.

Fizemos o teste. Ao clicar no vestido azul de costas cruzadas, sabemos que além de ser uma peça feita sem recurso a produtos de origem animal, foi costurada em Barcelos, palavra que vem a negrito a pedir novo clique. Na fábrica minhota que têm com parceira, trabalham sete mulheres "que são uns doces", escrevem na descrição. Há pormenores, fotografias e vídeos sobre as colaboradoras, que fazem 150 peças por dia.

5 formas de tornar o seu dia a dia mais sustentável
5 formas de tornar o seu dia a dia mais sustentável
Ver artigo

Uma grande percentagem da produção é feita com excedentes de fábricas portuguesas e quando isso não é possível produzem os tecidos e as malhas em fibras orgânicas, com empresas certificadas.

"Acreditamos que a transparência total pode causar uma certa vulnerabilidade, no entanto acreditamos também que este modelo transparente e colaborativo nos faz mais fortes, sendo o nosso maior objetivo como marca a educação e informação do consumidor", explica Cristiana. É por isso que decidiu ir mais além e mostrar aquilo que poucos mostram, numa espécie de esquema em que usam o exemplo de um macacão curto para mulher que custa 65,40€.

Para chegar a este valor é só fazer contas: 1,76€ pelo design, 8,30€ pelo tecido, 8,61€ de mão de obra, 1,05€ de aviamentos, 0,17€ pelo transporte, num total de 19,89€. A este valor acrescem os impostos, o marketing digital, o apoio ao cliente, o envio (caso seja online), a renda (caso seja em loja). No final, a conta bate sempre certo e os 65,40€ ficam assim justificados.

A ideia de comércio justo é essencial na produção da marca e Cristiana lembra a importância de dar valor e cara a quem está nas fábricas. "A exploração laboral não está só do outro lado do mundo", avisa.

Os valores sociais em causa notam-se até na escolha do nome. "Näz, em urdo, significa ter orgulho em saber que somos amados. Encontrei este termo quando procurei por palavras que não tivessem tradução noutras línguas, como a nossa saudade", refere Cristiana.

As peças estão à venda no site, mas também em vinte lojas, tanto em Portugal, como no resto da Europa e até no Japão.

Fique a conhecer algumas das peças da nova coleção.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.