Mensagens de WhatsApp só vão poder ser reencaminhadas em uma conversa de cada vez. O novo limite surge para evitar a propagação de informação falsa relacionada com a COVID-19 no chat desta app, cuja utilização teve um “aumento significativo” na sequência da entrada em contexto de pandemia, diz o jornal "Público", que cita os responsáveis da aplicação.

A app quer, assim, que a sua utilização se foque em conversas pessoais, tentando afastar-se do cenário em que serve de meio para a circulação de mensagens virais enviadas em grande escala, muitas vezes falsas. “Acreditamos que é importante limitar a propagação dessas mensagens para garantir que o WhatsApp se mantém um lugar de conversas pessoais”, diz em comunicado, citada pelo mesmo jornal.

4 coisas que não sabe que se podem fazer no WhatsApp
4 coisas que não sabe que se podem fazer no WhatsApp
Ver artigo

A aplicação consegue reconhecer estas mensagens que são reencaminhadas para um sem número de gente. Segundo os responsáveis pela aplicação, estas não são escritas "por um contacto próximo", diz, citada pelo mesmo jornal.

A aplicação já vinha a testar esta opção de combate a mensagens de alta circulação, através da limitação de reencaminhamento de mensagens a 20 conversas de cada vez, com o propósito de "criar constrangimentos à viralidade" de algumas mensagens, tendo registado um decréscimo de "25% no reencaminhamento de mensagens em todo o mundo".

O WhatsApp é utilizado por mais de dois mil milhões de utilizadores em todo o mundo. No combate à COVID-19, a aplicação está a desenvolver um trabalho "direto com ONG, Governos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e mais 20 ministérios da saúde nacionais para ajudar a ligar as pessoas a informação fidedigna." Tanto assim é que, desde março, já se pode abrir uma janela de chat automático com a OMS e, desta forma, esclarecer dúvidas relacionadas com o vírus.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.