A "Anatomia de Grey" é uma espécie de religião e só quem a segue percebe o porquê da excitação de um novo episódio de uma série que dura já há 15 anos.

Quando o primeiro episódio foi para o ar não havia Instagram, o Facebook tinha poucos meses e a Netflix era um conceito que nos levaria a outra galáxia. Quem queria ver, das duas uma, ou esperava pelos episódios que davam na Fox Life com um delay que agora seria incompreensível, ou aventurava-se no incrível mundo dos Torrents, que nos atiçou a perícia em conseguir fazer com que as legendas batessem certo com a imagem.

#MeToo já chegou às séries como se pode ver em "Anatomia de Grey"
#MeToo já chegou às séries como se pode ver em "Anatomia de Grey"
Ver artigo

E apesar de termos com aqueles atores relações mais longas do que muitas que mantemos na vida real, a verdade é que aquilo que se passa no ecrã não é real — ainda que no fundo do nosso ser acreditemos que numa ida às urgências um dia vamos ter Dr. Karev a fazer-nos uma ecografia.

Só que o Dr. Karev é, na verdade, Justin Chambers, um homem de 50 anos e com cinco filhos. E agora, 15 anos depois de ter dado vida ao médico mais sexy de Seattle, decidiu abandonar a série. E nós, fãs fervorosos, ficámos a pensar. Depois da saída da Cristina Yang (Sandra Oh), da morte de Derek Shepherd (Patrick Dempsey) e de George O'Malley (T. R. Knight), pouco resta do elenco inicial.

E se a essas falhas juntarmos a de personagens que, ainda tenham apanhado a Anatomia já em movimento, se tornaram principais, é caso para parar e perguntar: mas afinal, ainda há alguém vivo em "Anatomia de Grey"?

Mas há, a começar logo pela própria da Grey, personagem interpretada por Ellen Pompeo, que se mantém firme mesmo depois da morte do pai, da mãe, do marido, da irmã e de ela própria já ter estado muitas vezes em perigo. Mas fora Grey e os médicos Miranda Bailey (Chandra Wilson) e Richard Webber (James Pickers Jr.), são poucos os que lá se mantêm para recordar como tudo começou.

Na fotogaleria em baixo, recorde algumas das personagens principais desta história interminável, e que — com alguma dor — fomos vendo sair.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.