A quinta temporada da "La Casa de Papel" tocou-nos no coração (e ficou também marcada num coração de filigrana feito em Gondomar que foi oferecido a Úrsula Corberó, Tóquio na série), uma vez que um dos episódios *spoiler alert* tem cenas passadas em Lisboa, incluindo no Bairro Alto. Mas Úrsula Corberó e o ator Miguel Angel Silvestre foram mais além e passaram a ponte 25 de Abril em direção ao Ginjal. Há locais de paragem obrigatória assim que se sai da ponte, o Cristo Rei é um dos mais óbvios, mas vamos falar de outros pelos quais talvez nunca tenha passado ou ouvido falar.

Não aguentamos a nova coleção da MO dedicada a Stars Wars, La Casa de Papel e Disney
Não aguentamos a nova coleção da MO dedicada a Stars Wars, La Casa de Papel e Disney
Ver artigo

Um dos momentos únicos da série foi filmado no restaurante Ponto Final, que serviu de cenário ao jantar romântico à beira rio, com fado a acompanhar. O restaurante, no cais do Ginjal, é emblemático, bem como a pizzaria que se instalou na rua Cândido dos Reis, em Cacilhas, e começou a 'máfia' da restauração naquela zona. 

Almada é enorme e tem muito mais para descobrir quanto mais para dentro da cidade se propuser a explorar, mas restinguimo-nos ao que está à beira do rio para mostrar mais além do que a produção da série da Netflix decidiu filmar para a quinta temporada.

Desde Cacilhas até ao jardim da quinta da Arealva, eis os locais por onde tem de passar quando atravessar a ponte de 25 de Abril. Comece pelas vistas únicas.

Visitar

Casa da Cerca
Casa da Cerca créditos: facebook

Comece no lado de Cacilhas e vá à fragata Dom Fernando II e Glória. Pode subir àquele que foi o último navio de madeira à vela da Marinha construído em Damão, na Índia, experiência que vai ser como recuar no tempo até ao século XIX. Vai poder percorrer o local onde ficava a tripulação e os animais, a sala de jantar decorada com o rigor daqueles tempos e ainda o porão. O melhor da visita é a vista para o mar da Palha — grande bacia no estuário do rio Tejo.

O segundo local de paragem numa visita à margem sul é a Casa da Cerca, um Centro de Arte Contemporânea da Câmara Municipal de Almada, localizado na rua da Cerca, Almada. É um polo de exposições de arte e pode ver várias de uma vez a 26 de setembro, dia em que decorre uma visita orientada às exposições pela curadora Filipa Oliveira. O evento combina arte com vinho, uma vez que no fim terá direito a degustação de um copo de vinho no pátio da Casa da Cerca. A participação é gratuita, mas é necessário reservar (marcar.cac@cma.m-almada.pt).

Eis o plano perfeito para o fim de semana: um passeio de barco no Tejo, com direito a gin
Eis o plano perfeito para o fim de semana: um passeio de barco no Tejo, com direito a gin
Ver artigo

Se falamos na Casa da Cerca, temos de fazer referência ao jardim botânico O Chão das Artes que se divide em vários espaços: estufa, jardim dos Pigmentos, pomar das Gomas, charca, jardim dos Óleos, jardim das Fibras, mata e jardim dos Pintores. Pode conhecê-los na exposição documental "A História de um Jardim", que explica como cada um dos espaços evoluiu desde 1998, ano em que foi construído o jardim botânico O Chão das Artes

De seguida vá até ao jardim do rio, que dá acesso ao miradouro da Boca do Vento, também chamado de elevador do Miradouro Luís de Queiroz. Depois de apreciar a vista 360º para o Tejo, explore o centro histórico da cidade de Almada. Antes de subir, beba um cocktail no Filho Da Fruta.

Outro local impressionante é o jardim da quinta da Arealva, em Almada, que foi visitado pela personagem Tóquio. Diz respeito a um parque abandonado, com 48 metros de altitude, mas é precisamente essa característica que torna este local único. O jardim fica perto da igreja de São Paulo e faz parte da Quinta da Arealva, um antigo armazém de vinhos que em 2020 foi a leilão por mais de 6 milhões de euros.

Comer

Ponto Final
Ponto Final créditos: instagram

Ponto Final. Não, o artigo não vai ficar por aqui. O Ponto Final a que nos referimos é o restaurante onde jantaram (ou fingiram) os atores de "La Casa de Papel". Na carta vai encontrar pratos bem compostos, como pataniscas de bacalhau com arroz de feijão (15,50€) ou vitela à Ponto Final (14,50€). Tendo em conta que este restaurante é bastante requisitado quer ao almoço (das 12h30 às 16h), quer ao jantar (das 19h às 00h), o melhor é reservar (21 276 0743).

Se mesmo assim estiver cheio, experimente o restaurante do lado. O nome é curioso e talvez explique o porquê da escolha de Tóquio pelo restaurante anterior. É que se andava a recordar a paixão da sua vida, não ia querer atirar-se ao Rio (personagem interpretada por Miguel Herrán) ou o nome do restaurante de que lhe falamos agora.

Contudo, para quem até nem se importava de ter um romance com Rio, este restaurante cria o ambiente perfeito para isso: vista para o Tejo, o pôr do sol à hora do jantar e sangria de cor avermelhada a acompanhar. Tudo fica completo com a oferta gastronómica do Atira-te ao Rio, desde a caldeirada de bacalhau, com camarão e poejo (16€) ao lombo de porco com batata trufada (16€). Nos vinho, um branco Atira-te ao Rio2018 (20€) ou a famosa sangria de frutos vermelhos. Reservas: 21 275 1380. Aberto das 12h30 às 16h e das 19h às 22h30.

Esquecendo este dois clássicos restaurantes com vistas instagramáveis, mais para o lado de Cacilhas vai encontrar a Máfia das Pizzas, que abriu em 2013 e impulsionou a oferta de restauração que foi surgindo de seguida na rua Cândido dos Reis. Os responsáveis pela carta tão tentadora que é quase um crise digno de máfia são Ricardo Borges e Simone Costa que levaram para a zona conhecida como "o Bairro Alto da Margem Sul” o melhor da gastronomia italiana.

Nas pizzas, encontra a à la máfia, com chourição e pimentos (9,40€), a alentejana, com farinheira e coentros (11€) e ainda a de anchovas, que leva também azeitonas e rúcula (13,60€). As massas vão desde tagliatelle gorgonzola (9,70€) ao ravioli quatro queijos (12€). Aberto de terça a sexta-feira das 18h20 às 00h e fim de semana também ao almoço das 12h30 às 15h30.

Para ir sem hora marcada e matar a fome após passeio desde a Casa da Cerca ao jardim da quinta da Arealva, sugerimos uns petiscos para parar uns minutos a meio do dia. A Petisco da Lata Bistrô, na rua da Judiaria, Almada Velha, tem combinações que fazem jus aos sabores da gastronomia portuguesa, como é o caso da cavala mediterrânica em pão alentejano (7,20€), o timbal de sardinha (8€) e outra combinação de sardinha, com cebola roxa e tomilho fresco (6,90€). Aberto de terça-feira a sábado das 12h às 00h.

Terminar a noite

Boca do Vento - Cocktail Bar e Tapas
Boca do Vento - Cocktail Bar e Tapas créditos: zomato

Sítios para descontrair com vista para o rio é o que não falta no cais do Ginjal. Começando por uma ponta, o Boca do Vento - Cocktail Bar e Tapas tem gins portugueses (desde 8,50€), cocktails (desde 5€) e alguns aperitivos para acompanhar: aperitivos desde 0,80€ e tostas de presunto ou atum (desde 4,30€). Fecha à quarta-feira e abre nos restantes dias das 11h às 00h (sexta e sábado até às 02h).

Um pouco mais adiante fica o bar A Cerca, com morangoskas (5€), mojitos (5€) e canecas de cerveja (2€) para ir bebendo com calma enquanto vai picando uma latada de polvo e alho (4,50€), chouriço assado (5€) ou uma tábua de queijo e presunto (6,50€). Fica na rua da Cerca e está aberto de quarta-feira a domingo das 21h às 02h.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.