"La Dolce Vita", de Federico Fellini, relata o fascínio do jornalista Marcello Rubini (Marcello Mastroianni) pela atriz de Hollywood Sylvia Rank (Anita Ekberg). 60 anos depois vai nascer um comboio com o mesmo nome do clássico do cinema italiano, embora com cores bem vivas, entre elas o dourado.

Não é um simples comboio que permite a passagem de um ponto a outro, é um hotel com serviço de cinco estrelas a bordo que, a partir de 2023, vai percorrer 14 regiões, 131 cidades italianas e fará ainda percursos de Roma a Paris, Istambul e Croácia.

Contudo, é em Itália e na época de grande fervor eclético e artístico que se centra toda a experiência. "Os novos comboios Orient Express La Dolce Vita vão oferecer uma nova forma de experienciar Itália: um ambiente de aventura onde caminhos esquecidos são explorados, tesouros escondidos descobertos e onde os triunfos arquitetónicos assumem um lugar central", afirmam a empresa Orient Express no Instagram.

Por fora, parece um normal comboio, mas é diferente dos demais pelo facto de, através de uma parceria com a empresa Accor, resultar do reaproveitamento das carruagens históricas italianas do Expresso do Oriente da década de 1920, às quais foram adicionadas tecnologias inovadoras e mais sustentáveis, como a energia do hidrogénio, de modo a minimizar o impacto ambiental. A isto junta-se o facto de os percursos permitirem chegar aos espaços verdes de lugares remotos de Itália, sem prejudicar a natureza.

"O comboio La Dolce Vita acelerará o turismo ferroviário de luxo e atrairá muitos passageiros por ser uma forma segura e eco-sustentável de se moverem, que protege o ambiente e permite que redescubram os lugares mais fascinantes de nossas regiões", diz Luigi Corradi, CEO e Director Geral da Trenitalia, à CNN Travel.

Orient Express La Dolce Vita
Orient Express La Dolce Vita créditos: instagram

O ponto de partida será sempre a estação de Roma Termini e a partir daqui os viajantes podem seguir diferentes rotas por Itália. Quem for para norte, vai passar por Veneza, pela região de Langhe e pela beleza das paisagens montanhosas da Vie del Barbaresco; para o centro, verá os tesouros artísticos da Toscana, Siena e Florença; e para o Sul ficará deslumbrado com Sicília e o Monte Etna.

Entre as paisagens italianas de natureza e as praias do sul que se veem das janelas largas, o descanso faz-se dentro de uma das 12 cabines de luxo, 18 suites ou suíte Honor que se distribuem pelas seis carruagens do La Dolce Vita, cuja decoração elegante é trabalho do estúdio de design de interiores DIMORESTUDIO.

"O projeto de design do Orient Express La Dolce Vita foi concebido para incorporar um equilíbrio perfeito e discreto entre o histórico e o contemporâneo, sem perder autenticidade", explicam os responsáveis do estúdio, Emiliano Salci and Britt Moran, no site do projeto.

O La Dolce Vita é a prova de que o quarto num comboio até pode ter sofá e de que para comer não há apenas sandes mistas e sumos. Neste comboio há um bar, um restaurante e ambos com chefs e barmen de renome. No caso do restaurante, além de vinhos italianos premiados, há gastronomia que está em linha com as estrelas que se avistam das carruagens.

Tudo isto tem um custo e já se sabe qual é: cerca de 2 mil euros por pessoa e por noite.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.