O grupo hoteleiro Independente vai abrir duas unidades durante os próximos meses — uma no Alentejo, na Comporta, e outra em Lisboa, no bairro da Bica. A MAGG falou com um dos responsáveis pelo projeto, que nos revelou alguns pormenores destas novas unidades.

Ao Independente Príncipe Real, junto ao miradouro de São Pedro de Alcântara, e ao The House of Sandeman, no Porto, vão juntar-se o Independente Comporta e o Independente Bica. Estes dois projetos fazem parte da expansão do grupo com mais de uma década de existência.

Paris, Veneza ou Santorini. 10 escapadinhas inesquecíveis de Dia dos Namorados (desde 71€)
Paris, Veneza ou Santorini. 10 escapadinhas inesquecíveis de Dia dos Namorados (desde 71€)
Ver artigo

O novo hotel na Bica vai abrir em junho, mesmo a tempo dos Santos Populares. Terá um grande lobby e também um bar com cocktails de inspiração asiática, que poderão ser degustados pelos hóspedes, mas também por quem apenas queira por lá passar para beber um copo.

Erguido numa pensão com 300 anos, na Rua de São Paulo, o Independente Bica terá 42 quartos e uma penthouse no último andar. O objetivo é que seja um edifício divertido para qualquer tipo de clientes, desde casais a grupos de amigos ou famílias, e que misture o conceito de hotel e o de hostel.

Este hotel, que celebra a Ásia (e que terá um restaurante de grelhados yakitori, à base de espetadas), rege-se pela simplicidade, graças ao design de interiores japonês, que implica uma estética limpa e funcional, com elementos como móveis embutidos e madeira sustentável.

Já a unidade na Comporta tem abertura prevista para maio, fazendo com que ainda possa desfrutar das férias na Península de Tróia. A respetiva construção contemplou a existência de uma sensação de aldeia, na qual se incluirão 40 quartos e suites e 34 villas privadas (desde estúdios a casas de cinco quartos com pátio).

Além de um restaurante principal, de um café e de uma área take-away, o Independente Comporta terá uma área wellness com spa, uma piscina com bar, uma zona de pizza e barbecue, e não uma, não duas, mas três lareiras ao ar livre.

Esta primeira aposta do grupo Independente (antes The Independente Collective) fora de uma cidade espalha-se por 12 hectares (onde existirá um parque de aventuras para crianças) e foca-se no sentimento de comunidade, bem como com a conexão com a natureza e o bem-estar de corpo e alma.

Cada uma das unidades estará em regime soft-opening um mês antes (portanto, durante abril a da Comporta e durante maio a da Bica). "São dois bebés que queremos muito que nasçam", disse à MAGG Bernardo D'Eça Leal, de 32 anos, um dos fundadores do grupo.

O grupo Independente — há uma década a fazer história

O projeto nasceu através das ideias de quatro irmãos, que cresceram nas obras do pai, arquiteto urbanista. Todos adoravam viajar e percorreram o Mundo durante muitos anos. Bernardo e Duarte fundaram, então, o grupo Independente, com o qual pretendiam evoluir a hospitalidade, tornando-a mais criativa.

Veem neste grupo "de espírito independente" uma "marca portuguesa disruptiva, inspiracional e menos hoteleira". "Não queremos pegar no que já está feito e replicar", assegura Bernardo D'Eça Leal, que opta pela lógica do lifestyle e foge à da segmentação. "A questão das estrelas não faz sentido nenhum. Acabam por nos pôr em caixas", argumenta.

Esta visão distinta explica medidas como o facto de as unidades do grupo não terem meias-pensões. Valorizam a sustentabilidade e a cultura e pretendem criar "sítios para esquecer os problemas". Como que hostels "num tom mais moderno" para receber amigos (e não só).

"Gostamos de ser parte da transformação do tecido. Temos uma paixão enorme por construir conceitos distintos e transformadores", afirma Bernardo D'Eça Leal à MAGG, explicando ainda que todas as unidades do grupo se encontram a ser modificadas, enquanto revêem os valores e o propósito do projeto.

"Numa altura de crise, a cidade estava a fechar-se em colapso económico, e nós o contrário", recorda, quando tudo começou. Agora, querem "ir para fora com a marca" e continuar a dar "amor" e uma "nova cara" a "filhos mal entendidos" (como quem diz certas zonas do País que, até há pouco tempo, eram negligenciadas).

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.