Irreverente, altamente diurético, com uma personalidade própria, 100 por cento natural e português. É assim o Falta de Chá, um chá com propriedades diuréticas e ideal para quem quer combater a sensação de inchaço, a retenção de líquidos e que ajuda no processo de emagrecimento. Mas que promete ser muito mais do que isso.

Composto por oito plantas e uma raiz, o Falta de Chá é um produto totalmente português criado por Ricardo Martins Pereira, fundador da MAGG e da MAGG Agency, que teve o apoio de uma farmacêutica nacional para que toda a segurança do produto fosse garantida. O produto, explica o empresário, surge da necessidade de criar algo que não existia no mercado nacional.

“Fizemos uma análise a um mercado que se cruza muito com o nosso, o brasileiro, onde produtos com estas características têm um enorme sucesso”, diz Ricardo Martins Pereira. “Em Portugal, não existia nada do género. A ideia foi criar um chá que tivesse as principais plantas com propriedades diuréticas mas que, ao mesmo tempo, tivesse um sabor agradável e que pudesse ser bebido quente ou frio.

Alecrim, carqueja, chá verde, gengibre, guaraná, hortelã, mate verde e sálvia, às quais se junta ainda a cavalinha, uma planta portuguesa que diferencia o Falta de Chá de outros produtos do mesmo segmento. Estas plantas, quando combinadas, têm uma ação diurética e anti-inflamatória para o organismo, promovendo o emagrecimento e ajudando a combater a retenção de líquidos. No entanto, há uma outra expressão portuguesa que não pode ser ignorada, e que faz parte da mensagem do Falta de Chá.

“A nossa mensagem vai focar-se muito na ideia do ‘Fia-te na virgem e não corras’, mas adaptado ao chá, que será algo como ‘fia-te no chá e não treines’ ou ‘fia-te no chá e não comas bem’”, diz o fundador do projeto. “Não adianta de nada beberem litros de chá se não tiverem uma vida e uma alimentação saudável e equilibrada. E é por aí que queremos ir.

Este chá destina-se, assim, a qualquer pessoa que procure uma vida mais saudável. Portugal é, atualmente, dos países com maior crescimento da taxa de obesidade em toda a Europa, resultado de uma vida mais sedentária adotada pela sociedade. O Falta de Chá, explica Ricardo Martins Pereira, surge para ajudar a contrariar esta realidade, tentando introduzir opções mais saudáveis no mercado.

Com uma fórmula vegan e feita à base de ingredientes naturais, o Falta de Chá deve, por isso, ser consumido de uma forma regular e combinado com um estilo de vida saudável. Pode consumir entre uma a três saquetas por dia e o chá pode ser bebido quente ou frio. Para o preparar, basta colocar uma saqueta em água quente e deixar repousar o produto durante cinco minutos antes de o beber.

O Falta de Chá está à venda em embalagens individuais (24,90€), com 60 saquetas, ou pode optar por comprar um pack de três caixas (62,25€ em vez de 74,70€) e ter um desconto de 50% na terceira unidade. As encomendas podem ser feitas através do site oficial.

Uma comunicação disruptiva, sarcástica, e com alguma Falta de Chá

Falta de chá é daquelas expressões que qualquer português já ouviu, pelo menos, uma vez na vida. Sem maneiras, pouco sofisticado ou, simplesmente, mal educado. É um pouco esta que será a comunicação deste novo produto.

O nome, diz Ricardo Martins Pereira, surge pela vontade de criar algo divertido que, ao mesmo tempo, “representasse a cultura que queremos para a marca, com uma postura direta, frontal, que algumas vezes pode ser entendida por algumas pessoas como pouco educada.”

Despreocupada, sarcástica, com uma personalidade muito vincada. É assim que o Falta de Chá se apresentará ao mundo. Vai ter ideias próprias, interagir com os seus seguidores nas redes sociais de forma muito característica e, se um dia alguém acordar de mau humor, isso nunca será dissimulado nas publicações de Facebook e Instagram da marca.

“Não vamos querer vender o produto nas redes sociais, vamos querer que as pessoas gostem desta nossa maneira de estar”, acrescenta o empresário. “E, com isso, e com a qualidade do produto, acreditamos que virão as vendas.”

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.