Quando os vemos deitados no sofá uma tarde toda a ou a comer a ração que damos todos os dias, sem excepção, não conseguimos perceber as razões para que um cão sofra de ansiedade. Mas a verdade é que, a maioria desses animais sofrem de stress.

A conclusão foi revelado agora, depois de um estudo no qual foram analisados 13 mil cães de estimação na Finlândia, dos quais 72,5% apresentam características como sensibilidade ao ruído, medo de superfícies e alturas, desatenção, impulsividade, compulsão, comportamento relacionados à separação ou agressão.

Este estudo começou com um questionário online feito aos donos destes animais, e nas quais estavam raças diferentes, desde Labrador a Border Collie. Os donos deveriam indicar particularidades ligadas à ansiedade e classificá-las em nível baixo, médio ou alto. Após analisarem as respostas, os investigadores descobriram que 32% dos cães tinham sensibilidade ao ruído, o comportamento mais comum relacionado à ansiedade.

Segundo o estudo, 72,5% apresentam outras características como medo de superfícies e alturas, impulsividade, problemas relacionados com a separação ou agressão. Dados mais específicos indicam que 26% dos cães têm medo de fogos de artifício, 17% têm medo de outros cães, 15% têm medo de estranhos e 11% têm medo de tudo o seja situações novas.

A ansiedade não escolhe género e, segundo a análise, atinge de igual forma machos e fêmeas. A forma de a manifestar é que é diferente. Os machos estudados são mais mexidos e agressivos, enquanto as fêmeas ficam mais assustadas.

Com a idade, os cães tendem a ficar mais sensíveis e medrosos, particularmente no que diz respeito às alturas.

E os comportamentos também diferem consoantes as raças. O cão de água espanhol e o Pastor-de-shetland são mais suscetíveis ao medo no geral, enquanto o Rough Collie e os rafeiros tendem a ter medo de alturas.

Com todos estes resultados, os investigadores levantam agora a hipótese de que a composição genética tenha um papel importante nos diferentes tipos de ansiedade.

Para ajudar na diminuição de ansiedade canina, os donos devem manter o animal envolvido em atividades como passeios em áreas públicas, oferecer brinquedos ou brincadeiras dentro de casa, incentivar a um comportamento calmo dando muitos mimos e comida e, claro, não obrigar o animal a fazer coisas que o assustem.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.