Os bispos portugueses admitem que a tradicional Missa do Galo, que se celebra habitualmente perto da meia-noite de 24 de dezembro (véspera de Natal), pode ser suspensa este ano, caso os novos casos de infeção por COVID-19 continuem altos. "Se for necessário, para defender a vida, vamos fazê-lo", disse D. José Ornelas, bispo de Setúbal e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) à Agência Lusa, como escreve o "Observador".

Padre Guilherme: "Ser DJ faz-me chegar onde geralmente a igreja não entra e não está"
Padre Guilherme: "Ser DJ faz-me chegar onde geralmente a igreja não entra e não está"
Ver artigo

"Não brincamos com a saúde das pessoas. Iremos resolver os problemas com os mesmos princípios, com as mesmas preocupações, mas também com o mesmo sentido de equilíbrio, para não morrermos nem do vírus nem da sua cura", continuou o bispo, em conferência de imprensa.

Antes destas declarações, um vídeo publicado pela agência Ecclesia continha também um excerto da conferência, onde D.José Ornelas admite contenção nas celebrações natalícias de 2020. "Se for necessário contenção, vamos ter a contenção para que haja outros Natais em que se possa celebrar". O bispo de Setúbal acrescentou que a situação é dramática, mas necessária. "Para que os nossos avós cheguem ao próximo Natal, se calhar é necessário que neste Natal não estejamos juntos".

No entanto, D. José Ornelas reforçou que as celebrações católicas estão a cumprir todas as regras ditadas pelas autoridades de saúde. "Se forem a qualquer celebração vão ver que temos normas muito claras que foram acertadas com a Direção-Geral da Saúde [...] é muito mais fácil ser contagiado num supermercado e num restaurante do que nas igrejas, até pela natureza da comunidade que se junta”.

O bispo afirma que, apesar da suspensão da Missa do Galo poder ser uma realidade, está mais preocupado com as celebrações em família. "A grande preocupação é em casa. Não é mau celebrar em casa, mas não pode é ser a grande família, é mau neste momento. Quem é que não gostaria de estar em casa com a grande família, todos juntos?”, questiona, incitando a alternativas para o convívio familiar, como o uso das redes sociais, mensagens e vídeo-chamadas.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.