Depois de se conhecer o novo, e principal, suspeito de estar envolvido no desaparecimento de Madeleine McCann, é o padrasto de Joana Cipriano a pedir à Polícia Judiciária e às autoridades alemãs para investigar se o mesmo homem, de nacionalidade alemã, terá estado envolvido no desaparecimento da criança. Joana desapareceu em setembro de 2004 — exatamente a oito quilómetros da Praia da Luz, no Algarve, de onde Maddie terá sido levada.

O caso captou a atenção da imprensa e Leonor e João Cipriano, mãe e tio de Joana, respetivamente, chegaram mesmo a ser condenados pelo homicídio da criança embora o corpo nunca tenha sido descoberto. Apesar disso, ambos continuam a insistir na tese de inocência. E a notícia de que Christian Brueckner é agora considerado o principal suspeito no rapto de Maddie, levou Leandro Silva, padrasto de Joana, a pôr em hipótese o envolvimento do homem no desaparecimento da enteada.

"Quando vi que era suspeito de ter raptado a Maddie, pensei logo na Joana e que ele poderia estar envolvido. O desaparecimento da minha enteada é um caso que não foi resolvido, independentemente daquilo que dizem as autoridades", revelou Leandro Silva em entrevista ao tabloide britânico "Mirror".

Suspeito do rapto de Maddie esteve preso duas vezes em Portugal. Foi libertado 5 meses antes do desaparecimento
Suspeito do rapto de Maddie esteve preso duas vezes em Portugal. Foi libertado 5 meses antes do desaparecimento
Ver artigo

E reforça aquela que é uma das poucas certezas em relação ao desaparecimento de Joana: o facto de o corpo nunca ter sido encontrado. "O corpo nunca foi encontrado e sei que a Leonor nunca seria capaz de fazer mal à Joana. Era uma boa mãe. As autoridades geriram mal a investigação e, por isso, queria que fosse reaberta para que se pudesse confirmar se o alemão esteve ou não envolvido."

E continua: "Há muitas semelhanças em ambos os desaparecimentos. Sonho em saber o que aconteceu com a Joana, assim como sei que os McCann precisam de saber exatamente o que aconteceu à Maddie. Mesmo que isso signifique descobrir que elas estão mortas. Quero que seja feita justiça e sinto que ainda há muitas perguntas sem resposta."

Durante a investigação do desaparecimento de Joana, conduzida pelo inspetor Gonçalo Amaral, o mesmo que investigou o desaparecimento de Maddie, a tese apoiada pelas autoridades portuguesas foi que a mãe e o tio de Joana a terão morto por, alegadamente, esta os ter encontrado a ter relações sexuais. Embora Leonor Cipriano tenha confessado o crime, em meados de 2019, depois de sair da prisão, disse que o foi coagida pela Polícia Judiciária a assumir a culpa.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.