Um estudo realizado pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (Cesop) da Universidade Católica concluiu que os portugueses continuam a sair quase exclusivamente para compras e trabalho, bem como a evitar transportes públicos e as idas aos hospitais e centros de saúde, avança o jornal "Público".

O estudo teve como base as respostas de 898 portugueses recolhidas entre os dias 6 e 11 de maio, e analisou vários parâmetros, desde o estado mental dos portugueses, à probabilidade de fazer férias fora de residência atual e ainda o que é que consideram que lhes possa vir a acontecer em consequência da pandemia — desde a possibilidade de perder rendimentos até ao divórcio.

O que é facto é que em vários dos fatores verificados, o medo é uma palavra presente. “As pessoas continuam com muito medo da doença e a duvidar que o Serviço Nacional de Saúde consiga tratar todos”, interpreta o director do Cesop, Ricardo Reis, citado pelo mesmo jornal.

Um dos dados analisados indica que, numa escala de zero (nada provável) a 10 (muito provável), os inquiridos atribuem uma probabilidade de infecção na ordem dos 4,6. Já quanto ao medo de perder rendimentos fica nos 3.7, enquanto o receio de perder o emprego fica nos 2,5. De 0 a 10, consideram ainda que a possibilidade de perder um familiar próximo está nos 3,4 e ao risco de divórcio foi atribuído apenas 1.

No que diz respeito ao dia-a-dia, tarefas essenciais, como as compras (63%) e o trabalho (25%), continuam a ser os principais motivos de idas à rua. Outro dos mais fortes é atribuído às idas à farmácia (13%) e o valor mais baixo ficou para a alternativa "levar as crianças a correr" (0,9%).

“É curioso que, quando perguntámos aos inquiridos, onde sentiram mais receio de ir, os transportes públicos, o hospital, o centro de saúde e os supermercados apresentaram os valores mais altos. E o local onde as pessoas disseram sentir-se mais confortáveis foi a farmácia”, revela Ricardo Reis.

Contudo, seja em que sítio for, os inquiridos mostraram que o medo anda com eles, razão pela qual 27% afirmou usar sempre a máscara mesmo quando andam na rua — ainda que estas só sejam de uso obrigatório em transportes públicos ou em espaços fechados, conforme as medidas anunciadas pelo Governo.

"Tenho uma máscara no bolso que uso quando entro num espaço fechado". A dica de Costa que pode evitar multas de 350€
"Tenho uma máscara no bolso que uso quando entro num espaço fechado". A dica de Costa que pode evitar multas de 350€
Ver artigo

E a analise não fica por aqui. O verão está a aproximar-se, bem como a época balnear que começa a 6 de junho, e algumas das questões levantadas na investigação estão relacionadas com a intenção dos portugueses em fazer férias. Dos inquiridos, metade disse que não pretende fazer férias fora de casa, mesmo que isso seja possível, e outros 17% responderam “provavelmente não”.

Já quanto aos que habitualmente passam férias fora da residência habitual (32%) responderam que este ano não o farão, ao passo que apenas 13% deu a certeza de que iria para fora.

"Estávamos habituados a viver a cidade como algo muito expandido e agora as pessoas tenderão a reverter a sua vida para o interior do seu bairro”, diz o o director do Cesop.

No meio de todo este cenário, que dura já há quase três meses desde que o estado de emergência foi implementado em Portugal, a saúde mental dos portugueses parece refletir as consequências do confinamento. Isto porque 28% dos inquiridos dizem sentir-se pior mentalmente do que estavam há um mês, ainda que a maioria (63%) diga que se sente igual.

Um resultado mais otimista é revelado quando na pergunta "durante o mês de abril sentiu-se deprimido de tal modo que nada o conseguiu animar", 51% dos inquiridos disseram "nunca" e apenas uma fatia de 2% respondeu "sempre".

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.