Um bebé recém-nascido morreu esta segunda-feira, 25 de janeiro, num hospital em Roma, Itália. A mãe, que tinha tido um parto extremamente longo, adormeceu a amamentá-lo, pelo que o bebé morreu asfixiado. Isto tudo porque, alegadamente, não havia pessoal na unidade hospital, segundo o "El Mundo".

“Ela pediu que levassem o bebé para que pudesse descansar algumas horas, mas disseram-lhe que não”, contou o pai da criança citado pelo jornal. Depois de 17 horas de parto, a mulher só queria descansar. Contudo, o facto de não haver pessoal no hospital Sandro Pertini, localizado na capital italiana, fez com que a mãe fosse forçada a ficar a tomar conta do bebé sozinha.

Como não conseguiu resistir ao cansaço, acabou por adormecer enquanto amamentava o filho, que morreu asfixiado. Alegadamente, ninguém a acordou, depois de perceberem que o recém-nascido havia morrido. "Chamou-me a gritar, disse-me que fosse a correr até ao hospital, mas quando cheguei já não havia nada a fazer. Disseram-nos que tentaram reanimar o bebé, mas nem sequer a acordaram, quando abriu os olhos já o tinham levado", descreve o pai, citado pela publicação espanhola.

Polícia abusou de 12 mulheres e admitiu vários crimes de violação. Vítimas eram impedidas de ver os filhos e tratadas como escravas
Polícia abusou de 12 mulheres e admitiu vários crimes de violação. Vítimas eram impedidas de ver os filhos e tratadas como escravas
Ver artigo

O bebé já seguiu para a autópsia e, enquanto esperam pelos resultados, o casal já frisou que quer levar o hospital à justiça. "Nada nos pode devolver o nosso bebé, mas não queremos que outros pais passem pelo mesmo pesadelo que nós", continua o pai do recém-nascido.

Depois deste episódio se ter desenrolado, o hospital fez um teste de despiste de drogas à mãe, uma vez que a encontraram num sono muito profundo: o resultado foi negativo. No entanto, o hospital continua a rejeitar que tal tenha acontecido por falta de pessoal na maternidade e que ninguém obrigou a mãe a tomar conta do filho – apesar de o casal dizer que já não é a primeira vez que estes incidentes ocorrem no hospital.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.