No total, 9.402 novos casos infeção por COVID-19 detetados no Reino Unido foram associados ao percurso da seleção nacional inglesa no Euro 2020. É esta a conclusão do estudo que analisou os eventos em massa que se organizaram em redor do evento desportivo, segundo diz o ministério da Cultura e da Saúde Pública de Inglaterra, citado pelo jornal britânico "The Guardian".

O percurso da equipa da Inglaterra no campeonato de futebol, que chegou até à final onde defrontou a Itália, gerou "um risco significativo para a saúde pública no Reino Unido", pode ler-se nas conclusões tecidas pelos investigadores envolvidos na análise, divulgada esta sexta-feira, 20 de agosto.

Em causa está o facto de mais de 85% dos casos de infeções por COVID-19 registadas em todo o país terem estado ligadas aos 49 dias da competição — com ajuntamentos em massa em eventos de entretenimento com música, geralmente durante as meias-finais e a final do Euro 2020.

Cinemas com 75% da lotação e mais pessoas por mesa em restaurantes. Conheça as novas medidas
Cinemas com 75% da lotação e mais pessoas por mesa em restaurantes. Conheça as novas medidas
Ver artigo

Mais: das 9.402 pessoas que contraíram a doença, continua o estudo, um total de 3.036 pessoas acusaram sintomas cerca de dois dias depois do jogo que frequentaram, o que deixa a indicação de que já estariam infetadas no momento em que se deslocaram ao estádio. Ao longo de todo o percurso da seleção britânica, terá sido na final com a Itália que se registou mais de metade dos casos de COVID-19 durante a competição.

"O risco [para a saúde pública] gerou-se não só devido à comparência de adeptos no evento, mas também devido às atividades sociais que aconteceram ao longo" da competição.

Nestes dias, a desobediência das regras sanitárias em vigor, como o uso obrigatório de máscara em contextos em que não era possível assegurar uma distância de segurança confortável entre pessoas, foi sendo generalizada.

"O Euro 2020 foi uma ocasião única e é pouco provável que vejamos um impacto semelhante da COVID-19 em eventos futuros. No entanto, estes dados mostram como o vírus se consegue espalhar quando o contacto entre pessoas é muito próxima. Isto deve servir como alerta para todos nós à medida que tentamos regressar a uma normalidade", lê-se.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.