Enjoos, cólicas e má disposição são algumas das consequências do novo desafio viral do TikTok. Chama-se Frozen Honey Challenge (que, em português, significa Desafio do Mel Congelado) e tem como objetivo congelar o equivalente a uma garrafa de água, mas em mel, para tentar obter uma consistência gelatinosa, como se de um autêntico gelado se tratasse.

Tudo o que é demais enjoa e o mel não é exceção. De acordo com especialistas, com base na quantidade ingerida nos vídeos virais, não só enjoa como pode ser efetivamente perigoso. "Mel é ótimo...mas utilizá-lo para ganhar seguidores e atenção e ingeri-lo em quantidades excessivas é uma loucura", avança Kristin Kirkpatrick, nutricionista, à NBC News.

Segundo a NBC News, a hashtag #FrozenHoney já conta com mais 600 milhões de visualizações e a hashtag #FrozenHoneyChallenge com 80 milhões de entradas. O número de garrafas recheadas com mel congelado varia de vídeo para vídeo, mas há registo de quem se apresente a ingerir a quantidade de mel equivalente a três, quatro ou até cinco garrafas.

Do conceito original – de congelar única e exclusivamente mel – têm surgido ramificações e já há quem adicione outros componentes, por vezes igualmente (ou ainda mais) doces, como xarope de milho, à receita pioneira.

Influenciadora com 770 mil seguidores parte a clavícula, mãe parte os tornozelos. O perigo dos desafios do Tik Tok
Influenciadora com 770 mil seguidores parte a clavícula, mãe parte os tornozelos. O perigo dos desafios do Tik Tok
Ver artigo

"Sinto-me doente" ou "[já volto] vou fazer uma lavagem ao estômago" – são algumas das reações ao desafio. De acordo com especialistas, o cerne do problema não é o mel, enquanto substância, mas as quantidades ingeridas, que podem dar origem a excesso de açúcar no sangue.

Com ou sem TikTok à mistura, é do senso comum que o consumo de açúcar em quantidades elevadas é prejudicial à saúde, a curto, médio ou longo prazo. Hipertensão arterial, inflamação, diabetes ou até problemas cardíacos são apenas algumas das possíveis consequências.

Nutricionistas lançam o alerta para os possíveis efeitos secundários do desafio – como vómitos, diarreia, dores de estômago ou inchaço. "O mel é naturalmente doce e traz inúmeros benefícios à saúde. Mas, quando é guardado a temperaturas de aproximadamente quatro graus negativos, e, posteriormente consumido, pode dar origem a problemas como inchaço ou diarreia", reforça Neeha Nagpal, especialista em saúde e bem-estar, ao "The Independent".

Perigoso, mas pouco surpreendente

Os desafios virais não são exclusivos do TikTok e já existiam quando a aplicação ainda não fazia parte do quotidiano de milhões de utilizadores. Atualmente, (quase) todas as redes sociais suportam o carregamento de vídeos, mas, em tempos, o Youtube era a plataforma de eleição para este tipo de conteúdos. 

Como qualquer outra moda, os desafios da internet são cíclicos e, à medida que antigos jogos regressam e novos surgem, o risco aumenta.

Em 2018, a preocupação não recaía nas quantidades ingeridas, mas naquilo que os utilizadores das redes sociais, à altura, nomeadamente do Instagram e do Youtube, decidiram começar a comer. Este desafio viral, conhecido por Tide Pod Challenge (em português, Desafio das Cápsulas Tide) consistia na ingestão de cápsulas de detergente, com o objetivo primário de filmar o momento, publicar nas redes sociais e aguardar uma eventual reação.

No aviso de qualquer embalagem de cápsulas de detergente, lê-se que estas são altamente concentradas e devem ser armazenadas longe do alcance das crianças. No entanto, à medida que o desafio se tornava cada vez mais viral, as autoridades foram alertadas para casos em que as crianças não só colocavam as cápsulas na boca, como até as cozinhavam em pizzas, para, posteriormente, as ingerir.

No entanto, não só de conteúdos altamente tóxicos e evidentemente nocivos nascem este tipo de conteúdos. O Desafio da Canela, que data de 2011, foi um dos pioneiros nas redes sociais e, aparentemente inofensivo, revelou-se também prejudicial à saúde. Neste jogo, que recentemente passou para o TikTok, os jovens publicam vídeos em que tentam ingerir uma colher (de sopa ou sobremesa) de canela, sem qualquer líquido a acompanhar.

Com base num artigo publicado pela revista "Pediatrics", o uso indevido de canela foi mencionado em cerca de 200 chamadas para o Centro de Controlo de Venenos dos Estados Unidos da América, apenas ao longo do primeiro semestre de 2012. O autor do artigo, Dr. Steven E. Lipshultz, alertou para as possíveis consequências do desafio a nível pulmonar. Sim, leu bem.

Em termos práticos, apesar de contar apenas com canela, este desafio personificou uma das primeiras tendências virais perigosas da internet. De acordo com a revista "Forbes", a ingestão da canela em pó estimulava o reflexo de vómito, que se seguia de uma inevitável inalação do pó. Desta forma, este ficava preso dentro da boca e da garganta e, consoante a quantidade, chegava a causa dor.

A lista de jogos virais é vasta, mas, se recuarmos a janeiro deste ano (2021), o Blackout Challenge (conhecido, em português, como o Jogo do Desmaio) dominava as tendências do TikTok, embora tivesse surgido primeiramente no Youtube, e personificava um dos desafios mais perigosos de sempre. Consistia em suster a respiração durante longos períodos de tempo para, eventualmente, experienciar uma alegada sensação forte – mas a duração do mesmo dependia de pessoa para pessoa e, consequentemente, o limite suportado pelo corpo também.

À semelhança de desafios passados, este também não teve um desfecho favorável. Desta vez, a vítima do desafio tinha apenas 10 anos, chamava-se Antonella e foi encontrada morta com um cinto no pescoço, enquanto gravava o momento na sua casa de banho. Apesar de ter sido levada de urgência para o Hospital Infantil de Palermo, em Itália, não sobreviveu.

De vómitos e diarreia, a pernas partidas e, em casos extremos, à morte, a verdade é que as tendências virais do TikTok nascem e variam à velocidade da luz. De acordo com a NBC News, os especialistas alertam para os perigosos inerentes à aplicação e, consequentemente, à informação que nela circula.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.