A partir deste domingo, 31 de outubro, Glasgow será o palco da 26.ª Conferência das Partes, o órgão responsável pela tomada de decisões da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC). A conferência sobre o clima vai decorrer até 12 de novembro e está a ser encarada como a última grande oportunidade de juntar líderes mundiais num esforço conjunto para salvar o planeta.

Entre jornalistas, ativistas, políticos e especialistas na área da ciência e das alterações climáticas, estima-se que participem mais de 25 mil pessoas, mas já há ausências confirmadas e significativas. Além de Vladimir Putin, presidente da Rússia, que vai participar na conferência de forma virtual, a não comparência mais notável será a de Xi Jinping, presidente da China que, à data, está identificado como o país mais poluente.

Estas 10 fotos mostram cidades submersas devido às alterações climáticas. Lisboa não escapa
Estas 10 fotos mostram cidades submersas devido às alterações climáticas. Lisboa não escapa
Ver artigo

O 26.º encontro decorre agora depois de ter sido adiado devido aos efeitos da pandemia em todo o mundo, mas também após uma COP25 que, segundo a imprensa especializada, não permitiu chegar-se a qualquer consenso.

Realizada em Madrid, em 2019, o encontro viu a aprovação de resoluções com o objetivo de reduzir a emissão de gases de efeito estufa, mas as negociações prolongaram-se por vários dias e a questão dos mercados de carbono ficou em aberto, sendo a sua discussão adiada para este novo encontro, escreve a revista "National Geographic".

Afinal, o que vai ser discutido nesta nova conferência sobre o clima?

É com base neste contexto que, no programa para esta COP26, a UNFCCC limitou a ordem de trabalhos a alguns pontos essenciais: garantir que a meta, firmada no Acordo de Paris, em 2015, de limitar o aquecimento global abaixo dos 1.5 graus é mantida; assegurar a neutralidade de carbono global; garantir que todos os líderes trabalham em conjunto para concretizar as medidas; e que há mobilização financeira para que as metas sejam atingidas.

Além disso, espera-se também que a COP26 sirva como palco de discussão no sentido de se manter a promessa de mobilizar 100 mil milhões de dólares (cerca de 89 mil milhões de euros) para que os países mais pobres tenham forma de combater as alterações climáticas e os seus efeitos. Essa meta nunca foi alcançada.

Este novo encontro está a ser encarado como de extrema importância já que será a primeira vez que serão revistos os compromissos firmados pelos líderes mundiais no Acordo de Paris.

Esta fotografia de uma multidão nua junto ao Mar Morto quer alertar para as alterações climáticas
Esta fotografia de uma multidão nua junto ao Mar Morto quer alertar para as alterações climáticas
Ver artigo

Na altura, vários líderes comprometeram-se a limitar o aquecimento global a um aumento de dois graus, "desenvolvendo esforços" para que o valor ficasse a baixo dos 1.5 graus. O problema é que os vários cortes com que se comprometeram para a redução das emissões de dióxido de carbono eram, já altura, insuficientes, escreve o "Diário de Notícias".

Os compromissos em questão têm, agora, de ser revistos de cinco em cinco anos e esta será a primeira vez que tal acontecerá desde o Acordo de Paris.

Mas a uma semana do início da COP26, mais de um terço dos países do mundo, entre eles os maiores poluentes, ainda não tinham dado a conhecer os seus novos compromissos para reverter o número de emissões, escreve a rádio Renascença.

As metas foram cumpridas?

Numa palavra, não. Estima-se que, se nada mudar, haverá um aquecimento de 2.7 graus ao longo do século.

Para reverter a situação, os especialistas defendem que será necessário reduzir as emissões de gases de efeito estufa em em 45% até 2030.

Ainda que a conferência procure a união entre países num esforço conjunto de tentar salvar o planeta, a mobilização monetária será sempre um assunto, mas também a burocracia e possíveis reviravoltas políticas inesperadas — que podem prejudicar, atrasar ou impedir avanços nas negociações e tomadas de posição.

O caso mais recente será o de quando, em 2017, Donald Trump e a sua administração, que sucedeu à de Barack Obama, fez saber que iria retirar os EUA — outro dos países mais poluentes do mundo — do Acordo de Paris. Esta saída, no entanto, foi revertida por Joe Biden no mesmo dia em que se tornou presidente dos EUA.

Além desta conferência, está marcada uma nova, a COP27, para novembro do próximo ano, no Egito.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.