É conhecido como o "elefante mais solitário do mundo" e a sua história explica porquê. É que há mais de 35 anos que este elefante, de nome Kaavan, vive confinado a um espaço minúscula num jardim zoológico em Islamabad, no Paquistão. No entanto, um grupo de ativistas conseguiu montar uma campanha para que o animal seja mudado para um outro local com melhores condições.

Até agora, o elefante Kaavan vivia isolado dos outros animais e confinando a um pequeno espaço que não o deixava mover-se livremente.

Martin Bauer, um representante da associação ativista pelos direitos dos animais Four Paws, explicou que foi finalmente aprovada a autorização médica para que o elefante pudesse ser transportado do jardim zoológico onde estava para um novo local — provavelmente no Camboja, onde encontrará companhia e acompanhamento médico.

Cão abandonado foi pintado com tinta para se parecer com um tigre. Caso está a ser investigado
Cão abandonado foi pintado com tinta para se parecer com um tigre. Caso está a ser investigado
Ver artigo

A autorização foi dada logo na sexta-feira, 4 de setembro, depois de o elefante ter sido sujeito a vários exames médicos no local que, já em maio, foi obrigado a fechar pelos tribunais devido às pobres condições de higiene que apresentava nas instalações.

Ainda que o resgate do elefante Kaavan tenha atraído a atenção mediática de ativistas espalhados um pouco por todo o mundo, as manobras já não foram a tempo para dois dos leões em condições semelhantes.

"Infelizmente, a autorização para o resgate dos dois leões não chegou a tempo já que, no final de junho, os dois animais morreram durante o processo", adiantou Bauer. No entanto, explica que o governo de Islamabad concedeu autorização para que a associação pudesse regressar para resgatar e transportar, em segurança, os restantes animais que estejam atualmente a viver em condições insuficientes.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.