A guerra na Ucrânia começou há pouco mais de 24 horas. Na madrugada desta sexta-feira, 25 de fevereiro, Kiev foi alvo de bombardeamentos. As forças militares russas já entraram na capital ucraniana, e a tomada de Kiev pode acontecer nas próximas horas.

Há relatos não confirmados de que um caça ucraniano terá sido abatido e também da destruição de uma ponte. De acordo com a CNN, foram ouvidas duas explosões no centro de Kiev, e outras três nos arredores da cidade. Dois edifícios residenciais foram atingidos, mas não é possível confirmar se os alvos foram escolhidos ou apenas atingidos por destroços, ou se há vítimas mortais ou feridos a registar.

Cerca de 100 mil pessoas já terão abandonado a Ucrânia desde o início da ofensiva russa.

O que vai acontecer hoje (e nos próximos dias)

O Conselho de Segurança da NATO reúne-se esta sexta-feira para delinear uma nova estratégia sobre os últimos desenvolvimentos da ofensiva russa na Ucrânia. Esta reunião sucede o anúncio de novas sanções económicas dos EUA à Rússia, feito esta quinta-feira, 24 de fevereiro, pelo presidente norte-americano Joe Biden.

Joe Biden anuncia sanções. "Putin começou esta guerra e agora vai sofrer as consequências"
Joe Biden anuncia sanções. "Putin começou esta guerra e agora vai sofrer as consequências"
Ver artigo

As manifestações de solidariedade para com o povo ucraniano acontecem um pouco por todo o mundo, com vários edifícios icónicos iluminados com as cores da bandeira ucraniana. A Câmara Municipal de Lisboa fê-lo esta quinta-feira, 'pintando' de luz a fachada de azul e amarelo, enquanto vários cidadãos de origem ucraniana se juntavam na Praça do Município, num protesto contra a ofensiva russa e apelos à paz.

Para este domingo, 27 de fevereiro, está agendada uma manifestação em Lisboa, contra a invasão da Ucrânia. A iniciativa é organizada pelas juventudes partidárias do PS, PSD, CDS-PP e pelos partidos Livre, Iniciativa Liberal e PAN. O protesto acontece às 15h, junto à embaixada da Rússia.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.