Mais de um milhão de euros. Foi este o valor que o príncipe Carlos, 76 anos, terá recebido da família de Osama bin Laden para a sua instituição de caridade, o Prince of Wales Charitable Fund (PWCF), de acordo com o "Sunday Times". A publicação revela vários detalhes sobre a doação feita por dois meios irmãos de Osama Bin Laden (deserdado pela família em 1994) — Bakr bin Laden e Shafiq — que, entretanto, a Clarence House, residência do príncipe, já veio desmentir.

Enquanto o "Sunday Times", com base em fontes, afirma que o herdeiro do trono recebeu o dinheiro apesar das objeções dos conselheiros da Clarence House e da PWCF, a Clarence House vem esclarecer que a decisão de aceitar a doação em 2013, dois anos depois da morte do líder da Al-Qaeda, foi tomada exclusivamente pelos curadores da mesma. 

Filho dos príncipes da Dinamarca muda de escola por alegações de abuso sexual na instituição
Filho dos príncipes da Dinamarca muda de escola por alegações de abuso sexual na instituição
Ver artigo

"Foram tomadas as devidas diligências, com informações procuradas junto de um vasto leque de fontes, incluindo o governo. A decisão de aceitar a doação foi tomada na íntegra pelos curadores. Qualquer tentativa de sugerir o contrário é enganadora e imprecisa", afirmou.

Todavia, apesar de parecer não ter havido qualquer irregularidade na doação para o o Prince of Wales Charitable Fund (PWCF), a principal dúvida no momento é se esta foi a atitude mais correta por parte do herdeiro do trono de Inglaterra.

"Será que uma doação dos Bin Ladens — por mais distante que seja a maldade de um filho renegado — se encaixa nesse modelo de monarquia?", questiona Jonny Dymond, correspondente da realeza para a BBC britânica.

Em junho, o príncipe Carlos esteve debaixo de outra polémica, relacionada com três milhões de euros recebidos em numerário durante reuniões com o antigo primeiro-ministro do Qatar, o sheik Hamad bin Jassim bin Jaber al-Thani.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.