A CNN despediu três dos seus trabalhadores após ter tido conhecimento de que estes foram trabalhar para o escritório sem estarem vacinados. A empresa aplica uma política de "tolerância zero", o que significa que quem regressou ao trabalho físico no edifício da CNN tem de estar inoculado contra a COVID-19.

"Na semana passada, chegou ao nosso conhecimento que três funcionários estavam a entrar no escritório sem serem vacinados. Todos os três foram despedidos", disse Jeff Zucker, presidente da CNN, numa nota citada pelo jornal "Observador". A empresa não confirmava quem estava ou não vacinado antes de entrar no edifício, seguindo um "sistema de honra". Contudo, após este episódio, Jeff Zucker avança que é possível que nas próximas semanas passe a ser obrigatório apresentar certificado de vacinação.

Teste para ir a restaurantes? E às esplanadas? A partir de quando? 10 perguntas e respostas
Teste para ir a restaurantes? E às esplanadas? A partir de quando? 10 perguntas e respostas
Ver artigo

Segundo o presidente sobre a política de regresso ao trabalho físico, "tem de ser vacinado para ir para o escritório. E tem de ser vacinado quando trabalha no campo, com outros empregados, quer entre ou não no escritório", afirmou. O regresso efetivo de todos os trabalhadores da CNN está marcado para outubro, data que também está a ser seguida por outras grandes empresas.

Em Portugal, após o início do plano de levantamento gradual das medidas restritivas que começou a 1 de agosto, o teletrabalho deixou de ser obrigatório e passou a ser apenas recomendado para todo o País. Não é obrigatório apresentar certificado de vacinação para trabalhar, mas o mesmo não acontece em restaurantes ao fim de semana, uma vez que é necessário apresentar certificado digital que prove vacinação completa ou teste negativo à COVID-19 para refeições no interior dos estabelecimentos.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.