Está a ser estudada uma nova e inovadora forma de testagem à COVID-19 (e não só): transformar o smartphone numa espécie de “pequeno laboratório” e recorrer a uma aplicação, a Bacticount smaRT-LAMP, e a um kit de teste para obter o resultado em 25 minutos. Este método diz respeito ao sistema smaRT-LAMP, desenvolvido por uma equipa de investigadores da universidade da Califórnia, nos Estados Unidos.

Através de um estudo, publicado a 28 de janeiro na revista científica "JAMA Network Open", foi possível perceber que o método com recurso a um smartphone pode vir a ser útil, prático e garantir uma forma de testagem mais barata em relação aos testes de antigénio, não só para detetar a presença do vírus SARS-CoV-2, como do vírus influenza A e B, isto é, gripes.  

Uma sanita que faz análises à urina? É possível com esta inovação portuguesa
Uma sanita que faz análises à urina? É possível com esta inovação portuguesa
Ver artigo

O teste smaRT-LAMP consiste na recolha de uma amostra de saliva, que deve seguidamente ser misturada numa solução reativa. O terceiro passo é apontar a câmara do telemóvel com a aplicação aberta para a amostra de modo a que, através da metodologia de amplificação isotérmica mediada por loop (LAMP), o sistema analise a carga viral presente na saliva. Além da rapidez do processo, o resultado é apresentado em apenas 25 minutos. 

O método foi testado num total de 50 participantes com COVID-19, assintomáticos e sintomáticos, do hospital Santa Barbara Cottage. Os investigadores principais — Douglas M. Heithoff, Lucien Barnes e Scott P. Mahan — destacam a "velocidade, sensibilidade, acessibilidade" como as principais vantagens do sistema inovador e sublinham o facto de, no futuro, ser uma ferramenta essencial para a deteção de vírus.

"O levantamento das restrições pandémicas pode potenciar uma dupla epidemia de COVID-19 e influenza, denominada tempestade perfeita, devido a um aumento potencial de doenças graves, transmissão e diagnósticos errados resultantes da sobreposição de sintomas", pode ler-se no relatório do estudo.

Por isso mesmo, o sistema smaRT-LAMP com recurso a um smartphone — que "quase metade da população mundial tem" — poderá facilitar o processo. "Oferece um grande potencial para fornecer um acesso justo e igual à medicina de diagnóstico de precisão", acrescentam.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.