Em 2020, foram adotadas 180 crianças (quase metade, 361, das que foram recebidas em novas famílias em 2016), o que corresponde ao valor mais baixo registado em cinco anos, após descidas consecutivas. Este dado consta no Relatório Anual do Conselho Nacional para a Adoção (CNA) para 2020, que revela ainda que a tendência de decréscimo diz respeito não só às sentenças de adotabilidade dos tribunais, como às propostas e crianças encaminhadas para os serviços que permitem a adoção.

Enquanto que em 2019, ano pré-pandemia, 227 crianças iniciaram processos de adoção, em 2020 esse número reduziu e menos 49 crianças foram encaminhadas para o CNA, que inclui a Segurança Social e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Segundo o jornal "Público", que teve acesso ao relatório, não há referências de que estes números devem-se ao impacto da pandemia da COVID-19, até porque o decréscimo tem sido sucessivo ao longo dos últimos anos.

Bebés entraram no sistema de proteção sem registo. Mães não indicaram intenção de adoção
Bebés entraram no sistema de proteção sem registo. Mães não indicaram intenção de adoção
Ver artigo

Menos 14 crianças foram adotadas em 2020 do que em 2019, entre 2020 e 2018 a diferença foi de menos 33 e em 2017 foi de 88. Ao todo, após a criação do CNA, em 2015, já foram adotadas um total de 1.096 crianças — número que poderia ser superior dada a facilitação do processo de adoção com a aprovação do Regime Jurídico do Processo de Adoção (RJPA), em 2015.

"Tudo estava a ser feito para facilitar [o processo de adoção] e, no fundo, recorre-se menos a ele", afirmou Ana Perdigão, jurista do Instituto de Apoio à Criança (IAC), ao mesmo jornal. Uma das medidas — promoção e proteção mais grave — prevê que as crianças cortem relações com os pais biológicos e fiquem à guarda do Estado até encontrarem um família adotiva e é aplicada com vista a "pôr a criança nos carris da adoção", explica Ana Perdigão.

Contudo, mesmo nos processos em que o tribunal chega a atribuir uma sentença de adaptabilidade, por vezes a adoção é interrompida. Isso aconteceu a 11 crianças (a maioria entre os 9 e 12 anos) em 2020, embora não seja especificado o que aconteceu no relatório do CNA. É apenas dito que o processo de encaminhamento para as famílias atribuídas demorou entre dois e seis anos e que dez das crianças que regressaram ao sistema de acolhimento continuavam no final de 2020 "a aguardar integração numa nova família".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.