O Conselho de Ministros vai reunir-se este sábado, 31 de outubro, para discutir as medidas a serem aprovadas em Portugal de forma a combater a segunda vaga de infeções pelo novo coronavírus. E em cima da mesa de discussão estarão, pelo menos, a implementação do recolher obrigatório em meados de novembro, que vigorará durante um possível estado de emergência, e um confinamento geral à semelhança do que aconteceu entre março e abril — mas desta vez, apenas durante a primeira quinzena de dezembro. O objetivo? Poupar o Natal.

Uma das primeiras medidas do executivo de António Costa passará por aplicar aos concelhos que registem uma média de casos superior a 240 por cada 100 mil habitantes as mesmas medidas que, por exemplo, estão em vigor nos concelhos de Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras. Isto implica a obrigatoriedade do teletrabalho em todas as funções compatíveis com esse regime, a restrição de eventos ou espetáculos culturais e o fecho do comércio e restauração a partir das 22 ou 23 horas, soube o jornal "Público".

Além disso, está também em cima da mesa a implementação do recolher obrigatório — medida que precisará sempre que Portugal volte a decretar estado de emergência.

Guia prático para os próximos dias: o que pode fazer, o que é proibido e as exceções
Guia prático para os próximos dias: o que pode fazer, o que é proibido e as exceções
Ver artigo

E ainda que António Costa esteja a ser pressionado por vários autarcas que se dizem a favor desta medida, o primeiro-ministro prefere, para já, alargar as restrições dos concelhos de Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras a outras regiões do País mais afetados pelo surto, avança a mesma publicação.

Mas o governo de António Costa terá ainda várias dúvidas sobre a eficácia da medida e a duração da mesma e, escreve o mesmo jornal, caso o estado de emergência venha a ser aplicado, só acontecerá na primeira quinzena de novembro. Este cenário implica que Portugal iria estar mais duas semanas em situação de calamidade.

O regresso a um confinamento geral e total só estará em cima da mesa para dezembro, mais especificamente para as primeiras duas semanas. O objetivo é poupar o mais possível o Natal, tentando dissuadir deslocações ou ajuntamentos durante as duas semanas em que se registam vários feriados e pontes e numa altura em que não se sabe como evoluirá o número de casos. Mas a ser implementado este novo confinamento, será diferente daquele que se assistiu entre março e abril.

As escolas, por exemplo, não serão encerradas mas o governo admite restrições nos setores do comércio e na livre circulação de pessoas, avançam fontes presentes nas reuniões ao jornal "Expresso".

Espera-se que ao longo deste sábado, o Conselho de Ministros faça saber as novas medidas de combate ao surto. Nas últimas 24 horas, Portugal registou o pior dia de sempre desde o início da pandemia com 40 mortes, 4.656 novos casos de infeção e 275 doentes nos cuidados intensivos.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.