Depois de Maria Malveiro, a jovem condenada a 25 anos de prisão pelo homicídio de um jovem de 21, no Algarve, ter sido encontrada sem vida esta quarta-feira, 29 de dezembro, no Estabelecimento Prisional de Tires, em Cascais, sabe-se que a defesa quer atribuir responsabilidades ao Estado, que terá ignorado "os sinais". A jovem terá sido encontrada num contexto de aparente enforcamento, escreve o jornal "Expresso".

"Obviamente que tencionamos responsabilizar o Estado pelo que aconteceu, ou alguém mais em concreto", diz Miguel Santos Pereira, o advogado responsável pela defesa de Maria Malveiro, à mesma publicação. Segundo o próprio, "havia indícios e sinais" e "foram feitos os avisos". "Mas, infelizmente, o sistema prisional português ainda funciona como um depósito. As pessoas que estão a cumprir pena, só porque a estão a cumprir, não perdem o direito à dignidade e ao devido acompanhamento médico", diz.

Encontrada morta na prisão mulher que matou (e mutilou) jovem de 21 anos no Algarve
Encontrada morta na prisão mulher que matou (e mutilou) jovem de 21 anos no Algarve
Ver artigo

Nas mesmas declarações, Miguel Santos Pereira explica que Maria Malveiro terá tentado tirar a própria vida ainda em janeiro de 2021. É isso que, nas palavras da defesa, permite considerar que a mulher, condenada a 25 anos de prisão, estava "emocionalmente desequilibrada".

No total, terão sido feitos três pedidos para que Maria Malveiro mudasse de prisão para uma mais próxima da sua cidade, Portimão, e onde poderia ter um contacto mais próximo com a mãe. A autorização, no entanto, nunca chegou, diz a defesa.

"Ela estava num crescente estado de ansiedade e desestabilização. O que parece é que não estavam atentos aos sinais. Esta desatenção ainda acontece, mas não devia acontecer", sublinha Miguel Santos Pereira ao mesmo jornal. A autópsia de Maria Malveiro só deverá acontecer para a semana. Nesta fase, desconhece-se se a família quererá prosseguir com o caso, mas mesmo que isso não aconteça, a defesa pretende "apresentar queixa contra o Estado", por acreditar tratar-se de um caso de negligência.

Maria Malveiro foi condenada a 25 anos de prisão por ter tirado a vida, e mutilado, Diogo Gonçalves, 21 anos, em 2020. Maria teve ajuda da namorada, Mariana Fonseca, que foi absolvida, e juntas espalharam partes do corpo do jovem em vários locais do Algarve.

Diogo terá sido atraído para casa de uma das raparigas a 18 de março de 2020, onde ficou sequestrado durante dois ou três dias. As jovens foram detidas pela PJ a 2 de abril e foram acusadas pelo Ministério Público dos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver, dois crimes de acessos ilegítimo, um de burla informática, roubo simples e uso de veículo.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.