Como forma de alivar os profissionais de saúde, o eco das palmas que se fez ouvir em março de 2020, foi trocado este ano por uma série de iniciativas solidárias. Contudo, com estas campanhas, surgiu também uma "manifesta preocupação" por parte Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) "pela possibilidade de estas ações potenciarem o risco de contágio e transmissão do vírus SARS-Cov-2", refere numa nota publicada este domingo, 31 de janeiro, no site do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Tendo em conta a atual situação pandémica do País e da região do Médio Tejo — onde dos 9.498 novos casos de infeção registados este domingo, 31, um total de 184 diz respeito a esta região, de acordo com jornal regional mediotejo.neto CHMT recomenda que "todos os cidadãos devem cumprir o confinamento", atitude que representa "o maior ato de solidariedade que os cidadãos podem demonstrar aos profissionais de Saúde".

"A variante inglesa não veio só para Portugal. Os outros países também a têm mas tomaram medidas que nós não tomámos"
"A variante inglesa não veio só para Portugal. Os outros países também a têm mas tomaram medidas que nós não tomámos"
Ver artigo

O Centro Hospitalar argumenta que "todos os contactos que se estabelecem fora dos agregados familiares são de risco muito elevado, pelo que se apela mais uma vez para que todos restrinjam os contactos ao essencial", justificando o porquê de sugerir a suspensão de ajuda da comunidade nas iniciativas até agora criadas.

Uma delas diz respeito à campanha de angariação de bens “Por mim, por ti, por todos”, com o fim ajudar o hospital de Abrantes. No entanto, perante este novo aviso, o CHMT alerta que "em nenhuma ocasião este Centro Hospitalar ou os seus profissionais manifestaram necessidade de bens alimentares ou quaisquer outros", o que significa que a interrupção da campanha não compromete o bem-estar dos profissionais de saúde.

Desta forma, e não deixando de reconhecer e agradecer a onda de solidariedade dos portugueses, o Centro Hospitalar do Médio Tejo pede maior contenção nos contactos externos. "O momento atual que vivemos obriga a um maior rigor e salvaguarda quer dos profissionais de saúde, quer dos próprios cidadãos".

Contudo, nada nos impede de ajudar à distância. Uma das formas apoiar o SNS.

"Quer ajudar o Serviço Nacional de Saúde?"

A uma pergunta normalmente segue-se uma resposta, mas no caso de "quer ajudar o Serviço Nacional de Saúde?", a questão que se deve colocar é: "Como?". Nós dizemos.

Basta entrar no site da Direção-Geral de Saúde relativo à COVID-19 e tornar-se voluntário do SNS. Vai poder contribuir com formação profissional, quer seja na área de fisioterapia, psicologia, enfermagem ou informática. As opções são diversas, só é preciso ter vontade de ajudar (e preencher o formulário).

Dar uma contribuição monetária

Em vez de levar bens alimentares e equipamentos junto dos promotores de iniciativas ou aos hospitais, pode fazer donativos através de transferência bancária. Deixamos algumas das instituições e respetivas referências para onde pode canalizar a solidariedade nestes tempos difíceis de pandemia.

"Diga sim a quem nunca lhe diz que não"

Esta é uma campanha de recolha de fundos para a Associação Humanitários dos Bombeiros Voluntários de Monforte. Pode fazer o donativo para o seguinte IBAN: PT50 0035 0498 00002290730 94.

Projeto "Aconchegar"

Em apenas um mês, 72 camas e estruturas de apoio chegaram a hospitais portugueses graças ao projeto "Aconchegar" e podem chegar ainda mais. Angariação de fundos continua a decorrer e o objetivo é fornecer equipamentos — como camas, colchões anti escaras e guardas metálicas — aos hospitais que, com a pressão da COVID-19, confrontaram-se com falta de camas e estruturas de retaguarda para dar conforto aos doentes.

Pode contribuir de várias formas:

  • Transferência através do IBAN: PT50 0035 0481 0000 4895 2300 5
  • MB Way para o número: 962 461 004
  • MB - Pagamento de Serviços: Entidade: 20952; Referência: 000 300 000
  • Empresas e Redes Sociais: Iniciativas empresariais e dinâmicas de recolhas de fundos.

Cruz Vermelha Portuguesa

Pode fazer uma doação para a Cruz Vermelha Portuguesa, também envolvida no combate à COVID-19, online no site oficial através de um donativo pontual ou recorrente ou por diversos modos de transferência.

  • Por MBWay, através do contacto 918391794 (número restrito para uso na aplicação)
  • Por PayPal, aqui
  • Através do Facebook, botão "Fazer Donativo" ou campanha de "Angariação de Fundos"
  • Por transferência bancária, para uma das contas. Fundo Geral para Desenvolvimento e Atividades: Montepio (PT50 0036 0000 9910 5886 4103 7) ou CGD (PT50 0035 0027 0002 5871 9322 7); Fundo de Emergência: Millennium bcp (PT50 0033 0000 4530 7610 6910 5), CGD (PT50 0035 0027 0008 2402 2305 3), BPI (PT50 0010 0000 3631 9110 0017 4), Santander (PT50 0018 0000 2399 6353 0014 9), Montepio (PT50 0036 0087 9910 0053 7165 1)
  • Por multibanco ou netbanking: entidade 20999, referência 999999999
  • Por correio, enviando-nos um cheque ou vale postal para o Departamento Financeiro na Sede Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa: Jardim 9 de Abril, nº 1 a 5, 1249-083 Lisboa, Portugal
  • Por Payshop
  • Por telefone, ligando para a linha do Fundo de Emergência: 760 20 22 22
  • Campanha “Ser Solidário” no Multibanco
  • Consignando 0,5% do IRS, sem custo algum

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.