Bruno Domingos, de 34 anos, foi condenado esta quarta-feira, dia 8, a oito anos e oito meses de prisão pelo Tribunal de Lisboa pelo homicídio de Luís Costa, ex-sogro de 63 anos, por acreditar que este tinha violado a sua filha (neta da vítima), alegando que este confessou os abusos sexuais, avança o “Jornal de Notícias”.

Rapaz de 17 anos viola irmã de 10. Alerta foi dado por uma colega da menina
Rapaz de 17 anos viola irmã de 10. Alerta foi dado por uma colega da menina
Ver artigo

O crime ocorreu a 29 de janeiro de 2022, em Marvila, Lisboa, quando Bruno se deslocou à casa de Luís Costa para esclarecer se a vítima tinha violado a sua neta quando esta esteve à sua guarda, o que terá acontecido até 2018. Na primeira sessão do julgamento, Bruno disse estar embriagado depois de assistir a um jogo de futebol e admitiu ter arrombado a porta da casa de Luís.

Quando este admite que violou a menina, na altura com nove anos, Bruno agrediu-o e abandonou a casa, alegando que a vítima estava consciente. Quando soube da morte de Luís, quatro dias depois, contactou com um advogado e entregou-se às autoridades, avança o “Correio da Manhã”.

A juíza admitiu existir uma “probabilidade elevada de a filha do arguido ter sido violada, apesar de o inquérito a esses abusos ter sido arquivado, mas o Estado de Direito não permite que as pessoas façam justiça pelas próprias mãos e tirem a vida a outros”. Além disso, o tribunal aplicou uma pena “muito próxima do limite mínimo do crime do homicídio por ser sensível às motivações do arguido”.

“Ele tinha uma dúvida que o atormentava e, perante a admissão da culpa pelo ex-sogro, agrediu-o. Mas nunca quis matá-lo, não houve qualquer congeminação do atentado à vida da vítima”, garantiu Lopes Guerreiro, o advogado de Bruno Domingos. “Não há nada que justifique a morte, mas há situações que justificam agressões”, acrescentou, revela o “Jornal de Notícias”.

“O Tribunal foi sensível à motivação do arguido, que não tinha a intenção de matar quando confrontou o ofendido, e por isso entendo que o crime não deve ser o de homicídio, mas de ofensas à integridade física agravadas pelo resultado morte”, acrescentou, dizendo que vai recorrer da decisão, tendo pedido no final do julgamento a condenação do arguido apenas por ofensas à integridade física em que a sentença é inferior à do crime por homicídio.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.