O programa municipal Lojas com História recebe este ano mais oito lojas históricas na cidade de Lisboa, resultado da aprovação destas candidaturas por parte da Câmara de Lisboa esta quarta-feira, 27 de julho. Quatro delas ficam na freguesia de Santa Maria Maior e as outras vão desde Alvalade à Estrela, freguesia onde fica o histórico restaurante Varina da Madragoa.

Caso não saiba do que se trata, explicamos o que são as Lojas com História. É um programa municipal com foco no comércio tradicional, criado em 2015 com o objetivo de "por um lado, preservar e salvaguardar os estabelecimentos e o seu património material, histórico e cultural, e por outro lado, dinamizar e reativar a atividade comercial, essencial para a sua existência", é explicado no site do programa.

As primeiras lojas foram distinguidas em 2016, um total de 63, e até ao início deste ano o programa tinha distinguido um total de 178 estabelecimentos comerciais, 22 dos quais já encerraram por várias razões, uma delas porque "simplesmente não mantiveram negócio", disse o vereador da Cultura e da Economia, Diogo Moura (CDS-PP), disse à agência Lusa, citado pela CNN Portugal.

As novas tostas de gelado em pão brioche do La Romana já chegaram a Lisboa
As novas tostas de gelado em pão brioche do La Romana já chegaram a Lisboa
Ver artigo

Todas as que foram reconhecidas e estão identificadas como Lojas com História podem ser consultadas no site da iniciativa, no qual é contado um pouco da história de cada estabelecimento. Pode encontrá-las aqui.

Os novos estabelecimentos de comércio tradicional a exibirem à porta a tabuleta "Lojas com História", sinal de que durante gerações aquela loja marcou, de alguma forma, a cidade de Lisboa, vão desde a ginjinha do snack bar A Ginjinha Popular, na zona dos Restauradores, ao restaurante Varina da Madragoa, na Estrela.

Veja as novas Lojas com História de Lisboa e visite-as para que a história não só não acabe, como ganhe novas páginas para serem contadas.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.