O Ministério Público está a investigar a gestão dos mais de 2,5 milhões de euros que, em 2019, foram doados aos pais da bebé Matilde para ajudar no tratamento da criança. "Confirma-se a existência de inquérito que corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal [DIAP] de Lisboa. O mesmo encontra-se em investigação e sujeito a segredo de justiça", confirmou a Procuradoria-Geral da República ao "Correio da Manhã".

A investigação surge depois de os pais de Matilde não revelarem, por exemplo, o saldo atual da conta que foi criada especificamente para receber as doações ou os detalhes referentes aos custos de tratamento de 55 crianças para os quais dizem ter contribuído. "Este é um processo transparente. Esse valor pertence à Matilde e será usado para todos os tratamentos, terapias e equipamentos que a Matilde necessite", explicaram à mesma publicação.

No entanto, há quem já tenha pedido o reembolso do donativo por considerar que o objetivo inicial da campanhas e alterou. É que depois de realizadas as doações, o Estado comparticipou o medicamento para o tratamento da atrofia muscular espinha tipo I que tinha sido diagnosticado a Matilde — e que custava cerca de dois milhões de euros.

"Pedi a devolução e apresentei o comprovativo. Nunca me responderam. Desejo o melhor à pequenita, mas tenho esse direito", referiu uma doadora ao mesmo jornal. Mas para o casal, este é um "não tema".

Bebé Rodrigo. Ressonância magnética fetal deve ser pedida em caso de dúvidas
Bebé Rodrigo. Ressonância magnética fetal deve ser pedida em caso de dúvidas
Ver artigo

"A nossa filha está bem e tem evoluído muito bem. É um dia de cada vez", dizem Carla e Miguel, os pais de Matilde, à mesma publicação. Questionados sobre de que forma está a ser feita a gestão do dinheiro e como se desenvolve o processo de seleção de crianças que querem ajudam, ambos dizem que "as ajudas são feitas mediante as necessidades das crianças e as transferências são sempre feitas diretamente para as clínicas, empresas e hospitais."

E defendem a posição de não entregar a totalidade ou parte das doações a uma associação de solidariedade: "Nós, pais, sabemos melhor do que ninguém quais as reais necessidades da nossa filha e jamais iríamos pôr a vida e o futuro da nossa filha nas mãos de terceiros."

Em abril de 2019, Matilde Sande, na altura com apenas um mês e meio de idade, foi diagnosticada com atrofia muscular espinhal tipo I. O medicamento necessário para tratar o problema da bebé estava disponível nos Estados Unidos, no entanto tinha o custo de dois milhões de euros. Para angariar o valor necessário, os pais criaram a página "Matilde, uma bebé especial", que reuniu a solidariedade da grande maioria dos portugueses.

Em junho, Carla Martins e Miguel Sande, os pais de Matilde, anunciaram que tinham conseguido juntar o valor necessário para adquirir o medicamento. Pouco tempo depois, porém, o estado anunciou que iria comparticipar o Zolgensma.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.