Na noite deste sábado, 1 de maio, agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) foram chamados para intervir e dispersar um ajuntamento de cerca de 500 pessoas no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa. A maioria dos presentes estava sem máscara e sem respeitar as normas de distanciamento social em vigor desde o início da pandemia em Portugal.

O vídeo do momento, captado por João Porfírio, fotojornalista do jornal "Observador", mostra isso mesmo: um aglomerado de pessoas sem máscara, sem distanciamento e a consumir bebidas alcóolicas na via pública. O ajuntamento ter-se-a intensificado após as 22h30, altura em que os restaurantes do Bairro Alto começaram a encerrar, tal como imposto pelo o governo para esta próxima fase de desconfinamento no País.

Posso ir jantar fora? E ir ao ginásio? Guia com o que pode (e não) fazer a partir de sábado
Posso ir jantar fora? E ir ao ginásio? Guia com o que pode (e não) fazer a partir de sábado
Ver artigo

Fonte da PSP diz que o alerta terá sido dado através de "uma chamada" telefónica, feita por parte de um cidadão, e que terá levado à ação "rápida" das autoridades. Assim que estas chegaram ao local, os presentes dispersaram no sentido contrário àquele que tinha sido o da chegada a polícia. Também por isso, não houve detenções.

"Entre o momento do nosso conhecimento e o momento da dispersão, passou pouco tempo", garante a mesma fonte à Agência Lusa, citada pelo jornal "Público".

"O nosso principal objetivo ali era dispersar a multidão, por forma a fazer com que as regras sanitárias [da pandemia] se cumprissem. À chegada dos agentes, as pessoas dispersaram", diz a mesma fonte.

No rescaldo do ajuntamento, a PSP garante que "vai tentar apurar se se tratou de um movimento espontâneo ou de algo organizado nas redes sociais", e ressalva que "continua a estar em vigor o dever de recolher obrigatório e a obrigação de permanecer na habitação, a não ser quando se verifique uma das exceções que estão elencadas no diploma".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.