No primeiro debate, esta terça-feira, 12 de janeiro, entre todos os candidatos à presidência da República, o alvo foi apenas um: Marcelo Rebelo de Sousa. E o presidente incumbente partiu em desvantagem por não ter conseguido marcar presença no Pátio da Galé, em Lisboa, depois de ter recebido um teste positivo e dois negativos, ainda por explicar, à COVID-19.

No lugar que deveria ocupar entre o liberal Tiago Mayan Gonçalves e Vitorino Silva estava, afinal, um ecrã que iria transmitir a imagem de Marcelo desde sua casa. Quando surgiu, tarde, e antes de ser atacado por todos os candidatos, foi o cenário que Marcelo tinha como fundo que serviu para que, principalmente no Twitter, se multiplicassem os comentários e as imagens hilariantes. A explicação? Um quadro com o retrato do próprio presidente.

O auto-retrato de Marcelo no escritório

Depois dos inúmeros comentários, a equipa da RTP, responsável pela montagem e organização dos equipamentos em casa do presidente para o debate a sete, terá desfocado a imagem para que o quadro não fosse percetível de forma clara aos espectadores.

Estava feito o primeiro momento do debate que, regra geral, de debate (e de interrupções) teve pouco. O primeiro ataque a Marcelo veio por parte de Ana Gomes que, quando questionada sobre a hipótese do adiamento das eleições devido à evolução negativa da pandemia em Portugal, pediu que "isso fosse ponderado pela Assembleia da República e pelo presidente da República", os órgãos com competências democráticas para o fazer

"Não desejo o adiamento. Disse é que devia ser ponderado, porque quando há vontade política, há sempre soluções. Mas aqui estou para fazer campanha e para mostrar as diferenças face aos outros candidatos”, por considerar que fazer campanha é "valorizar" o ato eleitoral e não assumi.a como uma "coroação". João Ferreira, demarcando-se de Ana Gomes, diz ser "uma evidência" que as eleições vão mesmo acontecer.

Marcelo Rebelo de Sousa ouviu e preparava-se para começar a contar os ataques. André Ventura. que falara antes de Ana Gomes, responsabilizava o governo por não ter preparado de forma devida estas eleições. "Ouvimos o ministro da Administração Interna com uma trapalhada total."

Quando chegou a vez do presidente falar, foi assertivo. A partir de casa e de máscara posta, diz ter ouvido os partidos sobre a renovação do estado de emergência e que, durante todo esse processo, nunca nenhuma das forças políticas defendeu a possibilidade de adiar as eleições. "Chego à conclusão de que não há condições para a Assembleia da República avançar para uma revisão [da Constituição] que permitisse o adiamento". Aproveitando o tempo que tinha, pediu o voto em "qualquer um dos candidatos" como forma de travar a abstenção que se prevê alta.

A tosse entre intervenções

Voto antecipado facilitado e cada pessoa leva a sua caneta. Guia para votar nas presidenciais
Voto antecipado facilitado e cada pessoa leva a sua caneta. Guia para votar nas presidenciais
Ver artigo

Antes dos ataques, um novo momento no debate que, embora nada tenha que ver com política ou com as eleições, gerou comentários, memes e piadas no Twitter. Enquanto os candidatos tomavam a palavra para falar, havia alguém que tossia durante o debate e que, atendendo ao recente resultado positivo para a COVID-19 de Marcelo Rebelo de Sousa, levantou suspeitas junto dos internautas.

O momento da tosse repetiu-se por diversas vezes ao longo do debate e foram vários os que, sempre que isso acontecia, transportavam o momento para o Twitter.

Na questão da Saúde, Marcelo Rebelo de Sousa preparou-se para um novo ataque de seis contra um quando Ana Gomes o criticou por ter feito "pressão" a favor dos privados, chamando-os a Belém, enquanto Marta Temido, ministra da Saúde, negociava com o setor durante o primeiro pico da pandemia. André Ventura acusou o presidente de "preconceito ideológico" ao não ter vetado a Lei de Bases da Saúde proposta pela esquerda. "É uma vergonha termos três mil pessoas em listas de espera em alguns distritos. Estamos a falar de preconceitos ideológicos".

Vitorino Silva foi rápido e assertivo no que toca ao tema: "Se estivesse a morrer, não iria escolher ser tratado por um medico do público ou do privado. Queria era ser salvo porque a vida não tem preço. Prefiro ser tratado no público, mas se não tivesse vaga onde está o meu povo, queria ser tratado." Ventura colou-se à posição de Vitorino, concordando com "exatamente".

Marcelo criticado por tudo e o seu contrário

Do lado de Marisa Matias, a parceria entre "governo e Marcelo Rebelo de Sousa criou bloqueios" que poderão ter prejudicado o combate à pandemia. Do lado da direita representada por André Ventura e da ala liberal de Tiago Mayan Gonçalves, as críticas foram no sentido oposto: ambos defendem que o presidente foi conivente com o governo, com Mayan Gonçalves a argumentar que "entre Marcelo e Costa, já não se sabe onde começa um e acaba o outro". Vitorino concordou, dizendo que António Costa e Rebelo de Sousa "embalaram-se um no outro".

Durante toda a noite, Marcelo foi criticado por tudo e o seu contrário. Em resposta, devolveu as críticas: "Uns e outros queriam um presidente mais alinhado à direita e outros à esquerda. O papel do presidente é ser um fator de união e de estabilidade", argumentando que "ninguém saiu defraudado".

"O sistema, para não ficar coxo, precisa de uma direita forte e de uma esquerda forte”, reforçou a argumentação de que um presidente não é de fação, mas de união. Depois de acusações, como a de Mayan que diz que se o presidente for reeleito, Portugal tornar-se-á "no País mais pobre da Europa", Ana Gomes criticou-o por nunca ter falado da problemática das alterações climáticas ou da evasão fiscal.

"Não podemos continuar a viver de costas voltadas para a natureza”, diz. Sobre outra "matéria da qual o presidente nunca falou", aborda "o desvio do dinheiro para as offshores", concretizando que a evasão fiscal é "um problema que não pode continuar".

Em resposta a todas as críticas vindas da esquerda e da direita, Marcelo Rebelo de Sousa responde dizendo que não se pode "acreditar numa bazuca milagrosa que vem aí, mas fazer tudo para que tudo o que é financiamento europeu possa vir mais cedo do que tarde e de uma forma consistente e não às pinguinhas, nem de forma esporádica."

O seu sonho, caso seja reeleito, é que "os portugueses gostem ainda mais de Portugal e de serem portugueses". É esse, continua, "o sonho de um presidente da República”.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.