"Adoro o seu cabelo, super versátil". É assim que Rafael nos recebe, de braços abertos e de olho no nosso corte. "Ali os meninos se preocupam com o café, eu preocupo-me com o cabelo", conta. E, juntos, preocupam-se em fazer do Kaya o novo espaço de Lisboa ao qual as pessoas podem ir para beber café de especialidade, comer comida saudável (e outra nem tanto) e ainda cortar o cabelo.

É que neste canto iluminado no topo do Parque Eduardo VII há espaço para tudo. Rafael Silva, de 35 anos, Willian Bertuola, de 33, e Gilbert Marconi, 34, vieram do Brasil há dois anos e, antes de avançarem com um negócio próprio, andaram a analisar Lisboa e os lisboetas. Decidiram, por isso, fugir aos locais típicos e pensados para turistas e avançaram para um café de bairro. E não podiam estar mais contentes com isso.

Morada: Rua Marquês de Fronteira, 115A
Horário: 9h-19h e 10h-14h ao domingo. Fecha à segunda-feira

Aliás, à entrada do café cruzamo-nos com uma das vizinhas do lado, que vinha com um doce para os três provarem. Já houve quem trouxesse bolos e até uma impressora quando precisaram de imprimir uns papéis. "É ótimo sentir esse calor", admite Gilbert, o responsável por tudo o que sai da cozinha do Kaya.

Deixou os quase 20 anos enquanto pedagogo para trás para agora servir aos outros aquilo que aprendeu a cozinhar para si. Sem açúcares refinados e com produtos sempre frescos, preparou um pequeno menu que vai mudando com as estações. Mas conte sempre com panquecas, tostas, bowls e smoothies.

Nas tostas, que vêm sempre acompanhadas de salada com granola salgada, pode escolher entre a de beterraba e queijo de cabra (4,80€), a de húmus de feijão branco, tomate e rabanete (4,50€) e a de abacate com tomate e ovo cozido (4,80€), a de abóbora assada com ricotta (4,50€). Para a versão doce, há a de manteiga de amendoim, banana e morango (4,50€).

Já nas panquecas, há a versão de banana e creme de avelã (4,20€), a de doce de leite, amêndoas e mirtilos (4,20€) ou, no caso de um apetite mais salgado, as de espinafres e ovo (4€) ou a de cebola roxa, cogumelos e bacon (4€).

Também há bowls de açai, iogurtes e saladas de fruta. Mas daquela cozinha vão sempre saindo bolos, brownies e cookies sem hora marcada. Tudo isto acompanhado de café de especialidade, que Willian, o barista de serviço, prepara com todo o cuidado.

Quando dizemos que preferimos um café mais leve e coado, mune-se da V60, um equipamento que exige que o café seja pesado ao grama. Neste caso 16,5 gramas de café dão origem a 250 mililitros de café.

Escolhemos um das Honduras, pelo sabor exótico a frutos tropicais, passas e tamarindo, mas sabemos que qualquer que seja a opção, poderemos saber tudo sobre a sua origem. "O português gaba-se de ter o melhor café do mundo, mas nem café produzem. Há que abrir os horizontes e provar novos sabores, de preferência biológicos e vindos de uma produção que respeita as regras de qualidade e, muito importante também, os trabalhadores do café, que são muitas vezes explorados", refere Gilbert.

Expresso ou de filtro? No Buna, o café é sempre de especialidade
Expresso ou de filtro? No Buna, o café é sempre de especialidade
Ver artigo

Esta preocupação pela origem dos produtos atravessa o café e chega também ao cantinho que fica a cargo de Rafael, cabeleireiro há mais de dez anos. "Claro que eu comecei como todo o mundo, a usar produtos convencionais. Mas depois percebi que eu não quero vender químicos, eu quero cuidar do meu cliente", conta à MAGG. É por isso que no seu espaço, que funciona lado a lado com o café, usa maioritariamente produtos da Oway, uma marca orgânica, produzidos uma quinta biodinâmica em Itália, feita à base de óleos essenciais.

E assim como já teve clientes espontâneos, que decidem cortar o cabelo quando vinham apenas tomar um café, Rafael quer encontrar os clientes fiéis. "Para mim, mais do que o visual, conta a personalidade. Se eu conheço a cliente, sei se ela vai querer cortar dessa maneira ou pintar o cabelo de ruivo, por exemplo".  E se o tratamento for demorado — fazer madeixas aqui pode levar cerca de seis horas, tal é o cuidado personalizado — saiba que as tostas e o café de especialidade chegam até si. "O salão de cabeleireiro é um sítio de convívio mas aqui, em vez de fofoca, queremos conversas inteligentes e boa comida".

No final ainda pode levar consigo para casa os produtos que ficou a conhecer no Kaya. No cabeleireiro há os champôs e os cremes e, à entrada, está montado um mini-mercado com café, cafeteiras, vinhos naturais do Aparte e cerveja artesanal A.M.O., servidos nos raros momentos em que ali não apetece um café.

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.