"Modern Love" é a série fofinha que se vê numa tarde e que mostra como é estar apaixonado num mundo contemporâneo, moderno e frenético. E ainda que o foco principal da série seja o amor, não é uma representação hollywoodesca do que é o romance entre duas pessoas. Talvez porque tem como base a famosa coluna do jornal "The New York Times" que, todos os domingos, publica as melhores histórias de amor dos seus leitores.

E isso ajuda a que cada episódio seja diferente. No primeiro, por exemplo, é dada a conhecer a história de uma mulher que tenta encontrar o seu par romântico através de encontros sucessivos que teimam em nunca se materializar numa relação séria e duradoura.

Até porque, cada vez que esta personagem conhece um homem novo, sente a pressão de que ele corresponda aos requisitos do porteiro do prédio onde vive. E nenhum, pelo menos inicialmente, parece passar no teste.

De Joana Ribeiro a Nuno Lopes, 9 portugueses com papéis de destaque em séries ou filmes internacionais
De Joana Ribeiro a Nuno Lopes, 9 portugueses com papéis de destaque em séries ou filmes internacionais
Ver artigo

A crítica internacional desfez-se em elogios, mas em Portugal houve também quem tivesse coisas a dizer sobre a série. Foi o caso de Miguel Somsen que, quando a série se estreou, a 18 de outubro, explicou à MAGG que a série vai no sentido totalmente oposto às histórias de amor do costume.

"Hoje somos hiper-realistas com a hipersexualidade das relações e com os comportamentos que temos online. Face a isso, a série vai no sentido totalmente contrário. Aliás, recupera elementos do romance, que achava que podiam ser meros acessórios e estar completamente ultrapassados, para se focar naquelas histórias de amor", explica.

Mas porque falar de amor moderno implica que se esteja atento a temas contemporâneos e prementes, há episódios duros como aquele em que Anne Hathaway é protagonista e no qual, diz Somsen, "se descreve muito bem o que é sofrer de depressão e de bipolaridade" num episódio também ele muito bipolar em ritmo.

"Há outro sobre um casal gay que quer ter um filho e que, para isso, acaba por contratar uma barriga de aluguer que é uma mulher sem-abrigo." Mas embora considere que é fácil ser-se cínico em relação à série, porque fala do amor e de um lado da vida mais cor de rosa, "é uma série mesmo fofinha para um domingo à tarde e que se vê toda de uma vez."

12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
Ver artigo

"Love", da Netflix, é outra das sugestões e aqui há tanto de amor como de desamor. Um nerd apaixona-se por uma mulher manipuladora que acaba por ver naquele rapaz tontinho a solução para uma vida repleta de altos e baixos. É fácil criar uma relação de identificação com o espectador, precisamente porque já todos fomos o totó da série que se apaixonou pela pessoa errada na esperança de que, eventualmente, a relação desse certo.

Mas estas são só duas das sugestões da MAGG que podem ser vistas por quem está apaixonado, solteiro ou a atravessar uma relação difícil. Seja qual for a série ou filme que acabar a escolher, garantimos que em qualquer um deles encontrará pontos de identificação com a sua vida.

Damos-lhe a conhecer 13 séries e filmes românticos para apaixonados que os solteiros também podem ver.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.