Através de uma técnica fotográfica com mais de 150 anos, o fotógrafo Wilson Webb usou a lente da câmara para transportar as personagens do filme "Mulherzinhas", que estreou em janeiro por cá, para meados do século XIX, altura em que foi criado este método conhecido como processo de colódio húmido.

Consiste em tirar fotografias enquanto a placa está humedecida em produtos químicos sensíveis à luz, ou melhor, à luz ultra violeta, razão pelo qual "os estúdios da época usavam a luz do dia para expor as suas imagens", explicou o fotógrafo ao jornal "Daily Mail".

E Webb não usou uma câmara qualquer: foi uma Intrepid 8x10 à qual se juntaram ainda outros materiais, como uma lente petzval de latão 292 mm f.3, fabricada em Londres por JH Dallmeyer, em 1881.

Se não percebe nada de lentes, o mesmo pode não acontecer com séries e filmes, devendo por isso conhecer nomes como Saoirse Ronan, Florench Pugh, Emma Watson, Eliza Scanlen, Laura Dern e Bob Odenkirk. Todos eles foram fotografados e ficaram encantados com o resultado.

Antes de ser considerado um dos filmes do ano, "Mulherzinhas" teve vários problemas durante as filmagens
Antes de ser considerado um dos filmes do ano, "Mulherzinhas" teve vários problemas durante as filmagens
Ver artigo

"Emma [Watson] ficou especialmente intrigada e disse que queria um estúdio de placas molhadas na sua própria casa", disse o fotógrafo ao mesmo jornal. Também Greta Gerwig, diretora do filme "Mulherzinhas" e Florence Pugh, outra das atrizes, ficaram impressionadas com o resultado sempre que Webb chegava junto do elenco para mostrar as fotografias.

Webb
créditos: Kimberly Scarsella/DailyMail

Cada placa demorou cerca de 10 minutos a preparar e expor e mais 30 para limpar, secar e envernizar, conforme explica Webb.

Mas a experiência não se ficou pela produção fotográfica e pelo resultado final em imagens de 8 por 10. Webb revelou que, a luz de flash que usou era tão brilhante, que ele e os membros do elenco do filme podiam "sentir e cheirar o calor da luz, semelhante a uma tempestade".

Contudo, nada tinha a ver com a possibilidade de mau tempo, que podia acontecer no dia de inverno em que aconteceu a sessão. "O que os atores cheiravam era uma pequena quantidade de ozono a ser criada quando o enorme poder dos flashes separava as moléculas de nitrogénio e oxigénio", revelou.

Tudo foi planeado ao pormenor, desde os materiais, às roupas usadas pelos atores. É que só podiam ser cores frias, dado que as quentes podiam ganhar tonalidades escuras na fotografia, tirando o efeito pretendido. E, claro, sem esquecer que um género de "movimento estátua", requisito nas fotografias da altura, teve também de ser aplicado nesta sessão.

Por isso, também o elenco de "Mulherzinhas" não pôde mexer-se enquanto a câmara processava a imagem. "Depois de focar, a placa demora 10 a 20 segundos a ser exposta e se alguém se movesse, a foto ficaria desfocada", explicou o fotógrafo.

Sabemos que já está em pulgas para ver o resultado final. Espreite.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.