Depois de ter sido noticiado que os novos episódios de "Bridgerton" poderiam vir a ser gravados no Windsor Great Park, no condado real de Berkshire, em Inglaterra, sabe-se agora que as autoridades responsáveis pelo planeamento do território, que engloba o castelo de Windsor, aconselharam a que o pedido feito pela Netflix e os produtores da série seja negado.

Através de uma série de documentos que, mais tarde, viriam a ser divulgados na imprensa britânica, a Netflix pediu autorização para construir um novo estúdio de gravações no Windsor Great Park. O estúdio em questão, sabe-se agora, iria envolver inúmeros andaimes e fachadas, um estacionamento para até 150 veículos, um edifício de escritórios temporários e uma marquise para refeições e para armazenar todos os fatos a serem utilizados nas gravações, escreve a BBC.

O Windsor Great Park, um terreno composto por mais de dois mil hectares, compõe a área do castelo de Windsor que é detido pela família real britânica há várias décadas — e que tem sido frequentemente usado como local de lazer, aos fins de semana, e de trabalho, para vários eventos e cerimónias, pela rainha Isabel II ao longo do seu reinado.

"Bridgerton". Sem novos episódios, espreite as casas luxuosas que fazem lembrar a série
"Bridgerton". Sem novos episódios, espreite as casas luxuosas que fazem lembrar a série
Ver artigo

O novo estúdio seria utilizado ao longo de seis semanas por ano durante as gravações. Depois disso, e mesmo que se mantivesse inutilizado quando não estivessem a decorrer as gravações, deveria permanecer no local. Terá sido tudo isto que levou os responsáveis pelo ordenamento do território a aconselhar a recusa do espaço para as gravações, por considerarem que isso iria pôr em causa a identidade do local.

No relatório, ao qual a BBC teve acesso, os responsáveis falam de uma proposta de "desenvolvimento inadequado" que, por isso, "prejudicaria o caráter rural da zona", pondo em causa "o valor recreativo" que o território tem junto da perceção pública, uma vez que continua a ser detido pela família real britânica.

A decisão final quanto à aceitação, ou recusa, do espaço para a gravação das novas temporadas da série da Netflix, no entanto, só será conhecida a 19 de maio, altura em que o pedido será analisado uma última vez por todas as entidades competentes.

"Bridgerton" é a primeira série de Shonda Rhimes para a plataforma de streaming. Baseada nos livros de Julia Quinn, passa-se na Inglaterra aristocrática do século XIX que, apesar disso, apresenta alguns laivos de modernidade com a ascensão, na estrutura hierárquica social, de pessoas negras.

É o caso de Simon, o conde de Hastings, interpretado pelo ator Regé-Jean Page, que apesar de ter sido uma das personagens mais ilustres da primeira temporada, não fará parte dos novos episódios. A data de estreia da segunda temporada ainda não foi anunciada, mas já se sabe que a série terá, pelo menos, mais duas.

Do elenco fazem parte nomes como Jonathan Bailey, Harriet Cains, Bessie Carter, Nicola Coughlan, Phoebe Dynevor, Ruth Gemmell e Florence Hunt.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.