“Por ser tão profunda, a ferida vai demorar a sarar. O País Basco ainda não esqueceu a ETA.” A frase é de Gorka Landaburu, um jornalista basco que perdeu vários dedos e um olho depois de abrir uma carta armadilha enviada pelo grupo paramilitar. Dez anos depois de ter sido anunciado o cessar-fogo, são muito poucos os que falam abertamente sobre o movimento terrorista que deixou um rasto de sangue.

“Pátria”, a nova série da HBO, vai trazer o assunto para a mesa de jantar de milhares de espectadores espalhados pelo mundo — uma vez que a série tem estreia garantida nos EUA e na Europa.

No centro da ação? Duas mulheres cuja relação ameaça chegar ao fim depois de o marido de uma delas ser assassinado pela ETA que, durante vários meses, tentava extorqui-lhe dinheiro. A série é baseada no livro com o mesmo nome, lançado em 2016 por Fernando Aramburu. E ainda que, no momento de redação do livro, o autor se tenha sempre questionado sobre o que é que mais um livro poderia trazer de novo sobre as quatro décadas de violência da ETA, a verdade é que a obra acabou por se tornar num fenómeno.

Além de vender mais de três milhões de cópias desde o lançamento, “Pátria” vai já na 35.ª edição e já foi traduzido para mais de 32 línguas diferentes. “Nunca esperei que pudesse vir a ser um grande sucesso, mas é algo que qualquer autor gostava que lhe acontecesse”, explica Aramburu em entrevista ao jornal “The Guardian”.

A história do livro, e agora da série, é completamente fictícia, reforça o autor, o que não significa que não tenha como base acontecimentos reais, tragédias reais e dores, também elas, muito reais.

O novo documentário da Netflix sobre os criminosos e terroristas que ainda hoje estão fugidos à polícia
O novo documentário da Netflix sobre os criminosos e terroristas que ainda hoje estão fugidos à polícia
Ver artigo

“Fiz muita pesquisa para que todas as minhas personagens, que são todas inventadas, se pudessem ver envolvidas em situações reais e agissem de forma muito realista também”, refere.

E continua: “Fiquei muito revoltado pelo que aconteceu às vítimas e por ver que um grupo de pessoas se organizou para forçarem a sua ideologia noutros e, pior ainda, isso vir a ser aceite e aplaudido como parte da sociedade. Achei que a literatura me iria ajudar não só a protestar contra o que aconteceu, porque acredito na democracia, mas também a deixar um registo dos horrores que todos presenciámos.”

A série “Pátria” estreia-se este domingo, 27 de setembro, na HBO Portugal.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.