Há mais um documentário de crime para ver na Netflix e este é daqueles que o vão fazer levar as mãos à cabeça. Chama-se "World's Most Wanted" e o nome diz tudo. É que ao longo de cinco episódios, com uma duração média de 45 minutos, a série dá a conhecer alguns dos criminosos mais violentos do mundo que estão há vários anos fugidos às autoridades.

É o caso de Samantha Lewthwaite, uma mulher de 36 anos, acusada de ter causado a morte de mais de 400 pessoas. Os vários órgãos de comunicação social deram-lhe o nome "viúva branca" depois de, em 2005, ter sido noticiado que Lewthwaite era casada com um dos homens que esteve envolvido no ataque terrorista de 2005 ao metro de Londres, no Reino Unido, que tirou a vida a 56 pessoas.

Mas Samantha Lewthwaite está fugida às autoridades do Quénia depois de terem surgido fortes suspeitas de que estaria envolvida com a Al-Shabab, o movimento extremista islâmico com o qual terá orquestrado vários ataques à bomba a locais de culto no país.

Mas a mulher é ainda acusada de, em 2012, ter organizado um ataque terrorista à bomba num bar em Mombaça enquanto turistas viam um jogo do Campeonato Europeu de Futebol. No documentário, os crimes de Samantha Lewthwaite são detalhados ao pormenor, mas também é explicado de que forma é que esta terá conseguido enganar as autoridades durante tantos anos.

É que o seu paradeiro continua, ainda hoje, a ser um mistério. Lewthwaite é uma das criminosas mais violentas do mundo a estar identificada pela Interpol, a organização internacional de polícia criminal, com um alerta vermelho. O alerta dita que, assim que descoberta, a detenção deverá ser imediata com o objetivo de a extraditar para o país onde é acusada dos vários crimes que cometeu.

Outro dos fugitivos mencionados em "World's Most Wanted" é Semion Mogilevich, um homem ucraniano de 74 anos, que chegou a fazer parte da lista dos criminosos mais procurados pelo FBI em 2009.

Chegou à Netflix um novo documentário surpreendente que Donald Trump quis censurar
Chegou à Netflix um novo documentário surpreendente que Donald Trump quis censurar
Ver artigo

Mas em 2015 o nome foi retirado. Não porque Mogilevich tenha sido capturado, mas porque as autoridades descobriram que este estava a viver como um homem livre na Rússia — um país com quem os Estados Unidos não têm uma lei de extradição em vigor.

No submundo do crime, Semion Mogilevich é conhecido como o chefe de todos os chefes devido à forte influência que tem em todas as organizações criminosas que ainda hoje operam em grande parte do território russo. E a lista de crimes que cometeu é longa, envolvendo lavagem de dinheiro, branqueamento de capitais, fraude fiscal, homicídio premeditado, tráfico de drogas e tráfico de mulheres.

A primeira temporada de "World's Most Wanted" já está inteiramente disponível na Netflix e promete ser o próximo grande vicio de quem devorou documentários como "Cidade do Medo" ou "Sou Um Assassino" — ambos da mesma plataforma de streaming.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.