Em terra de crimes macabros, qualquer (bom) jornalista é um alvo a abater. E "Tokyo Vice", a nova série da HBO Max, é prova disso. Baseada no testemunho em primeira mão do norte-americano Jake Adelstein, que se mudou para o Japão nos anos 90 para acompanhar a realidade da Polícia Metropolitana de Tóquio e chegou a receber ameaças de morte, este novo drama criminal mostra o declínio diário deste jornalista no submundo da cidade.

Do regresso de "Elite" aos novos dramas das Kardashians, 7 novidades para ver em abril (em streaming)
Do regresso de "Elite" aos novos dramas das Kardashians, 7 novidades para ver em abril (em streaming)
Ver artigo

"Tokyo Vice", baseada na obra literária "Tokyo Vice: An American Reporter on the Police Beat in Japan", chega ao catálogo da HBO Max já esta sexta-feira, 8 de abril, e conta com Ansel Elgort (protagonista de "A Culpa É das Estrelas") no papel principal.

No caso, na pele de Jake Adelstein, um jornalista norte-americano que se muda para Tóquio, onde será o primeiro jornalista estrangeiro a trabalhar num jornal daquele país. À data da mudança dos Estados Unidos para o Japão, Jake julgava que acompanhar cada passo da Polícia Metropolitana de Tóquio era suficiente para perceber a faceta criminal da cidade. No entanto, pouco depois, apercebe-se de que a sua teoria inicial não podia estar mais longe da verdade.

"A informação tem sempre um custo"

"Os repórteres não são propriamente adorados aqui, principalmente se forem bons no que fazem", ouve-se no trailer oficial. A ingenuidade deste jornalista norte-americano dissipa-se rapidamente, mas Jake entra em modo "vale tudo" em prol da informação.

Acaba por se aliar a um detetive local, Ken Watanabe, que assume quase uma figura paternal de Jake, e o conduz pelos recantos mais obscuros da cidade. O jornalista vê-se cercado por crimes violentos e informações perigosas e, às tantas,depara-se com Yakuza, organização japonesa e maior máfia do mundo.

Ainda que, inicialmente, o norte-americano não tenha a mínima noção do que isso significa. "Como é ser um yakuza? Podia escrever sobre isso", diz o jornalista no trailer oficial. "Sim, podias, mas depois teria de te matar", remata, entre risos, um membro da organização.

Estreia já a 8 de abril, na HBO Max, mas o que é certo é que esta história esteve em vias de ficar na gaveta. O testemunho de Jake Adelstein já era para ter sido retratado num filme, em 2013, com Daniel Radcliffe ("Harry Potter") como protagonista, que acabou por não avançar por insistência da indústria japonesa.

Jake Adelstein chegou a receber ameaças de morte

O trailer oficial arranca com a frase "a informação tem sempre um custo". E a verdade é que, fora da ficção, este jornalista norte-americano é prova disso.

Recebeu  ameaças de morte e em 2005, abandonou oficialmente o jornal. Os detalhes de tudo o que viveu no Japão foram eternizados em "Tokyo Vice: An American Reporter on the Police Beat in Japan", no entanto todos os nomes presentes na obra foram alterados e o livro auto-biográfico nunca chegou a ser comercializado no Japão.

Com 53 anos, é considerado um dos principais especialistas na vertente criminosa no Japão. Já trabalhou como chefe do departamento de investigação dos Estados Unidos focado no tráfico humano no Japão e, ainda hoje, continua a trabalhar nessa mesma área, através da organização "Polaris Project Japan", especializada em tráfico humano e na exploração sexual de crianças e mulheres.

Agora, a sua história está prestes a chegar à HBO Max. Três episódios de "Tokyo Vice" estreiam já esta sexta-feira, 8, e, a partir daí, ficarão disponíveis dois episódios todas as sextas-feiras até à conclusão a 29 de abril.

O elenco de "Tokyo Vice" é composto por nomes como Ansel Elgort, Ken Watanabe, Rinko Kikuchi, Rachel Keller, Ella Rumpf, Hideaki Ito, Show Kasamatsu e, ainda, Tomohisa Yamashita.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.