Os festivais de música são cada vez menos uma sequência de concertos e são cada vez mais uma experiência completa que passa pela música, por eventos, por coisas diferentes que estão a acontecer, pelo convívio. O objetivo de todos os festivais já não é apenas o de mostrar bandas consagradas ou novas, é também o de fazer com que quem paga bilhete vá para casa com recordações para a vida, e que as possa partilhar com toda a gente nas suas redes sociais. Mas há alguns festivais que levam isto da experiência mesmo muito a sério, e pensam na envolvência com tanto cuidado como na lista de artistas a convidar. Muitos destes festivais são o sonho da vida de muita gente, que vê por lá gente de todo o mundo, famosos, influenciadores, e espera um dia poder viver, também, a experiência de ir até lá.

A MAGG destaca cinco festivais de música um pouco por todo o mundo, onde se podem viver experiências verdadeiramente marcantes e que ficam para a vida. E um deles é em Portugal.

1# FUJI ROCK FESTIVAL

Acontece todos os anos em meados de Julho, num sítio exótico. Quando o festival teve início, acontecia à entrada do Monte Fuji, no Japão. Hoje, ocorre no Naeba Ski Resort, uma estação de esqui localizada a algumas horas de Tóquio, se for de TGV. O festival apresenta sobretudo bandas de rock, mas isso é o menos relevante, quando comparado com toda a envolvência, que é o que vale esta experiência. A estância de esqui fica no meio da floresta, e os palcos ficam no meio das árvores, em locais de florestação densa, cheia de árvores. Por vezes, é preciso fazer caminhadas de trekking por trilhos para conseguir chegar a alguns concertos. Um dos palcos, por exemplo, fica no topo da montanha e a única forma de chegar até lá é de teleférico. É sobretudo por isto que o Fuji Rock é um dos festivais mais exclusivos e originais do mundo.

Onde: Japão

Quando: Mês de Julho

Valor: Variam de €180 A €235

2# FESTIVAL MÚSICAS DO MUNDO

Acontece em Portugal todos os anos, em Sines, na costa alentejana. No ano passado, o Músicas do Mundo ganhou o prémio EFFE Award, como reconhecimento pelo seu papel fundamental na difusão da música e das várias culturas na Europa. E é sobretudo isso que torna este festival único em Portugal e relevante no panorama europeu e mundial.

Todo o conceito do Festival Músicas do Mundo assenta na diversidade cultural, com bandas de diversos estilos musicais, do pop ao hip-hop, passando pelo rock, jazz, blues ou reggae. É também um festival familiar, que atrai avós, netos, pais, filhos, porque a programação é pensada para todas as faixas etárias, com música, mas também uma série de experiências originais e únicas que podem ser vividas por todos, com exposições ou ateliês artísticos para adultos e crianças. É também isto que atrai todos os anos aproximadamente 90 mil pessoas. Este ano, o número deve repetir-se. Ao todo, estarão representados 38 países, com artistas espalhados pelos vários palcos. Um deles, torna este Festival único: o palco central que fica dentro do Castelo de Sines, o que proporciona uma envolvência incrível. Mas há mais. Este ano, o festival vai proporcionar aos festivaleiros subidas em balão de ar quente, onde poderão desfrutar de uma vista maravilhosa da região de Sines. Esta ativação é da responsabilidade da Galp. A Galp também terá lounges especiais,  tendas feitas de cartão reciclável no parque de campismo, tranfers de Porto Covo-Sines e vice versa, e o passatempo  #galpmusicrew, que premeia com um ano de combustível a melhor fotografia ou vídeo num concerto de verão com pelo menos três amigos identificados (taggs).

Onde: Sines, Portugal.

Quando: De 20 a 28 de julho (2018)

Valor: Variam de €10 a €50, alguns concertos também são gratuitos.

# 3 BURNING MAN

É sem dúvida o festival mais alternativo de música do mundo, e aquele que compete diretamente com o Coachella em número de publicações excêntricas em contas de Instagram. Acontece todos os anos no deserto de Nevada, nos Estados Unidos, numa cidade propositadamente construída para o evento, a Black Rock City.

O Burning Man tem um gigantesco parque de campismo, onde são feitas muitas das fotos dos looks mais excêntricos que se encontram no festival. Aqui, a ideia é quase a roçar o experimentalismo fashion, um pouco um “vale tudo”, quanto mais excêntrico melhor. A verdade é que as pessoas não vão só pela música (muitas não vão, de todo, pela música), mas sim pela experiência que podem viver por lá, e pelo facto de ser um festival muito exclusivo e de acesso difícil.

E talvez a experiência mais divertida seja mesmo a de ver os participantes com as suas roupas psicadélicas, demasiado reduzidas, quase mascarados. No Burning Man vive-se um verdadeiro espetáculo de fantasias e manifestação artística da individualidade de cada participante. O mais interessante é que neste festival, não existe qualquer bar ou loja com comida. Tudo é feito por trocas, ou presentes que as pessoas dão umas às outras, o exige todo um planeamento alimentar para os sete dias de estadia no festival. O bilhete custa em média de 400 dólares (perto de €320), e quem vai, diz que é uma das melhores experiências da vida.

O nome Burning Man tem uma explicação: é que quando o festival termina, todas as estruturas são queimadas. Para lá de muitas manifestações culturais, o Burning Man é uma espécie de Meca da música eletrónica, com muitos dos melhores DJ do mundo presentes.

Onde: Nevada, EUA.

Quando: 26 de agosto a 3 de setembro (2018)

Valor: Variam entre os €180 e os €1000

#4 LOLLAPALOOZA

Este festival percorre diversos países à volta do mundo. Passa pelo Brasil, Argentina, Chile, EUA e Paris. As bandas são sobretudo de música alternativa, mas também há rock, grunge, heavy metal e pop ou hip hop. Já passaram por lá bandas e artistas como os Red Hot Chili Peppers, Amy Winehouse ou Pearl Jam.

O mais interessante deste imenso festival é que, além de toda a mega-estrutura montada para receber milhares de pessoas, possui muitas atividades extra e ativações com marcas criativas. Em quase todos os anos, há a tradicional roda gigante para as pessoas poderem assistir ao evento de cima, e no último ano, no Brasil, o festival recebeu uma montanha russa no meio do festival para entreter o público. Os níveis de aprovação foram altíssimos. Há também atividades como slackline que leva as pessoas a se aventurarem cerca de 8 metros acima do chão.

Onde: Brasil, Argentina, França, EUA, Chile.

Quando: As datas variam de acordo com o país.

Valor: Preço sob consulta.

#5 CAPADOX

Situado em um dos sítios mais bonitos do mundo, o Capadox, como o próprio nome se refere, fica na região da Capadócia, na Turquia.

O festival foi criado em 2015, e acontece no meio das rochas de um vale, e todo o conceito do festival é voltado para o ecossistema. Alguns palcos, por exemplo, são movidos a energia solar.

A programação para cada ano é extensa, e não se limita só a um sítio. Variam entre Vales da Capadócia, locais históricos, quintas, centros culturais, e mansões. Além de música alternativa, há eventos, workshops e degustações.

Um dos costumes é o piquenique diário que os participantes fazem, que inclui churrasco ao ar livre, e é quase impossível entediar-se, pois há muitas coisas para fazer, como passeios guiados de bicicleta pelos vales, meditação, ioga ou aulas de culinária. O nascer do sol incrível no meio das montanhas é quase sempre um dos momentos mais altos...

Onde: Capadócia, Turquia.

Quando: Mês de junho (Consultar programação 2019)

Valor: Sob consulta

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.