Diz o eco popular que "The Crown" já teve melhores dias. Desde a crítica do "The Guardian", que afirma que a sexta temporada está "tão má que é basicamente uma experiência transcendente", à "Entertainment Weekly", que define a trama como "melancólica e contida", a nova sequência de episódios tem gerado um debate fervoroso. Se isso é motivo suficiente para nos descolarmos do ecrã? Não – e ainda bem, porque só assim é que conseguimos reparar que, num dos novos capítulos, há um elemento português a dar o ar da sua graça.

Não nos referimos a nenhum ator português que, sem ninguém saber, foi selecionado para encarnar uma personagem deste universo da Netflix, que casa a ficção com os dramas (bem reais) da família real britânica. Estamos a falar dos Mary Earrings, uns brincos da marca portuguesa Hey Harper que Elizabeth Debicki, a atriz que tem somado uma enchente de elogios pela forma como dá vida a Lady Di, usou ao longo do terceiro episódio.

A notícia chegou até nós através do Instagram, aquando de uma publicação em que o autor destes singelos acessórios, Pedro Ventura Nunes, aproveitou para celebrar o facto de ver uma das suas criações representadas no pequeno ecrã. "Um par que desenhei durante a minha estadia criativa na Hey Harper", podia ler-se na legenda, na qual descrevia toda a situação como "verdadeiramente impressionante".

A MAGG quis saber mais sobre estas joias e do jovem talento que esteve na génese das mesmas. E, em entrevista, o designer contou-nos mais sobre este marco, bem como detalhes sobre o seu percurso académico e profissional, que, numa primeira instância, não podia estar mais distante de se debruçar sobre a joalharia.

Quem é Pedro Ventura Nunes?

Pedro Ventura Nunes tem 25 anos, mas o currículo que leva às costas é inversamente proporcional à sua idade. O percurso que trilhou é reflexo da sua versatilidade e paixão pela expressão criativa, com alicerces que remontam à formação na Faculdade de Belas Artes, na Universidade de Lisboa, onde começou a moldar o seu caminho na indústria da moda tendo os têxteis como veículo.

"Quando estudava, comecei a desenvolver têxteis para designers portugueses, para a ModaLisboa", conta à MAGG, dizendo que "a estampagem digital, tecidos e knitwear" foram apenas o prelúdio da sua jornada. Até que, no meio de alguns projetos freelance, foi convidado pela Hey Harper, onde só era responsável pelo design gráfico.

Desta vertente do design até à joalharia foi um saltinho, já que foi convidado pela marca portuguesa a tomar as rédeas da direção criativa. E mesmo sem experiência na área, não ficou de braços cruzados, tendo adaptado os seus conhecimentos prévios às especificidades da área pela qual acabava de enveredar. "O processo de design é um processo transversal a quase todas as áreas, se tu quiseres adaptá-lo", frisa.

pedro ventura nunes
pedro ventura nunes Pedro Ventura Nunes créditos: Instagram

A sua dedicação e habilidades rapidamente fizeram com que mergulhasse no estudo do design de joias, assinalando o início de uma afirmação no seio da indústria. Depois da Hey Harper, passou pela conhecida marca de joias Cinco e integrou ainda um projeto da One Watches.

Agora, a par de projetos de consultoria e design enquanto freelancer, o jovem tem edificado planos para construir uma marca a nome próprio no futuro. "No meio disto tudo, faço joalharia por encomenda, produção de peças para clientes privados", remata Pedro Ventura Nunes.

O percurso dos Mary Earrings, da criação à televisão

debicki
debicki créditos: DR

Feitos os devidos contextos, voltemos aos brincos que, "curiosamente, são daquelas peças que ficaram marcadas por uma piada que era feita na Hey Harper", começa por contar de imediato o designer. É que, embora toda a gente lhe tenha dito que o formato remete para uma concha, Pedro Ventura Nunes realça que não o é, mesmo não estando certo da melhor forma para os definir.

Uma coisa é certa: foi beber inspiração ao Art Déco, o movimento de artes visuais, arquitetura e design que remonta à década de 1910, na Europa. E mesmo tendo este estilo que lhe é tão querido como mote, o designer acredita que desenhou esta peça, lançada originalmente em 2022, tendo "um produto de qualidade para todas as pessoas" em mente, que é uma das bandeiras da Hey Harper.

E quer acredite em coincidências ou não, o facto de os brincos pintarem os looks de Elizabeth Debicki em "The Crown" parece ter sido obra do destino. Isto porque a própria princesa Diana, que a atriz australiana interpreta, também foi uma das grandes inspirações do jovem.   

"Quando nós, internamente, trabalhávamos o percurso, a imagem e a linguagem enquanto marca, eu dizia sempre que nós estávamos a desenhar para uma princesa Diana moderna", confessa. "Tínhamos muitas referências de fotografias dela. Talvez, consciente ou inconscientemente, tenha ficado [presente], até porque eu acabo por ser meio influenciado por ela, por causa dos pullovers, por exemplo", acrescenta.

E ainda que esteja mais que familiarizado com as peças que cria, o reconhecimento dos brincos na série da Netflix foi um acontecimento inusitado. "Estava a ver o episódio e nem sequer estava a reconhecer. É uma situação engraçada, porque no episódio anterior a Elizabeth [Debicki] usou uma T-shirt dos Duran Duran, que eu achei muito gira. Ou seja, estava mais ocupado a olhar para a T-shirt", diz, entre risos, explicando que foi uma amiga da marca que o alertou.

E depois de alguma incerteza em relação a tratar-se de um modelo da sua autoria, eis a confirmação. Em conversa com a equipa, o designer percebeu que a princesa Diana (salvo seja) estava a usar os Mary Earrings. Como? Graças a um pormenor que, apesar de pequeno, faz uma grande diferença – "um coração na parte de trás, gravado sobre a mola que os fecha", afiança, ao acrescentar que foi um momento extremamente "emocionante".

Como é que os brincos chegaram à série? Essa é uma história cujo desfecho ainda está por apurar, mas, segundo nos contou Rita Gulbenkian, Head of Marketing da Hey Harper, não será muito difícil de lá chegar. O mais provável é ter sido fruto das estratégias de oferta e colocação de produto que a marca leva a cabo durante o ano.

Imortal, mesmo depois da morte: 26 anos depois, continuamos a falar da princesa Diana. Porquê?
Imortal, mesmo depois da morte: 26 anos depois, continuamos a falar da princesa Diana. Porquê?
Ver artigo

"Nós enviamos peças aos maiores stylists, às influenciadoras, à imprensa e temos um departamento que trata disso, alocando as peças a sítios importantes", avança. "Fazemos imensos eventos durante o ano, principalmente no Reino Unido e nos Estados Unidos, onde convidamos stylists para irem lá e, ao longo do ano, temos tido imensos pedidos", que vão desde produções mais viradas para séries e filmes às de moda, continua a responsável.

Embora ainda não tenha chegado à raiz desta oportunidade, devido à quantidade de ofertas anuais, Rita Gulbenkian reitera: "Há-de ter sido numa destas ações ou até a stylist da Elizabeth Debicki, que pode perfeitamente ter vindo a um dos nossos eventos e ter levado peças".

"É um orgulho conseguirmos estar neste tipo de eventos e de séries"

Ainda que o êxtase deste episódio o tenha preenchido, Pedro Ventura Nunes não consegue prever até que ponto é que poderá ter influência no seu percurso enquanto designer. Não querendo fazer futurologia, o jovem frisa: "Para já, posso dizer que teve o melhor impacto para mim, que era a minha ligação com a série e com a personagem".

Contudo, não descura o facto de ser um adição interessante ao seu portefólio – e que acaba por ser simbólica, cimentando a boa relação que tem com a marca. "Guardo muito a minha ligação com a Hey Harper", com quem ainda colabora, mas em moldes diferentes, desta vez mais virado para as suas origens (os têxteis), explica.

Para Rita Gulbenkian, este feito também é motivo de felicidade. "Para nós, numa vertente interna da empresa, é um orgulho conseguirmos estar neste tipo de eventos e de séries. Isto demonstra o quanto a marca está a crescer", confirma. E ainda que os brincos, pertencentes à Essentials Collection, estejam fora de stock, a responsável avança que o seu regresso é uma "questão ainda por averiguar".

A Hey Harper foi criada em 2018, por Catarina Oliveira. Dois anos depois, a marca atingiu o sucesso internacional, com especial ênfase nos mercados britânico e norte-americano, marcando presença nas coleções de joias de inúmeras celebridades, como Hailey Bieber e Alessandra Ambrosio. Os designs, a par de modernos e acessíveis, prometem ser à prova de suor e de água. As peças da marca podem ser adquiridas online ou através de uma visita ao showroom, em Lisboa.