Em 2008, Milda Mitkute era uma jovem de 21 anos com preocupações e gostos como qualquer outra, inclusivamente uma paixão por moda, roupas cheias de estilo, mas um armário muito pequeno e com falta de espaço. Decidida a arranjar uma solução que lhe permitisse ter constantemente roupa nova de uma forma económica e que conseguisse arrumar no seu guarda-vestidos de pequenas dimensões, a jovem natural da Lituânia criou um sistema de vendas e trocas de roupas.

A Amazon das autocaravanas. Agora há um marketplace para quem quer alugar e quem quer rentabilizar
A Amazon das autocaravanas. Agora há um marketplace para quem quer alugar e quem quer rentabilizar
Ver artigo

Hoje, mais de uma década depois, é o maior marketplace de roupa em segunda mão consumidor-a-consumidor da Europa. Falamos do Vinted, que depois de se expandir por vários países europeus e não só, chegou a Portugal esta segunda-feira, 7 de junho.

"Tudo começou porque eu queria livrar-me das minhas coisas velhas. Além disso, aos 21 anos, usava cinco vezes um vestido e já não o queria usar mais, mas tinha um espaço limitado no roupeiro", recorda com humor Milda Mitkute, a co-fundadora da Vinted (juntamente com Justas Janauskas), em entrevista à MAGG a propósito do lançamento do site no mercado nacional.

Milda
Milda Mitkute é a co-fundadora da Vinted, que criou com apenas 21 anos, em 2008. créditos: Robertas Daskevicius (www.i4u.lt)

A cofundadora explica que o principal objetivo que a levou a elaborar este marketplace foi a necessidade de vender os seus itens para gerar dinheiro e ter espaço para comprar coisas novas. "E assim ter sempre peças cheias de estilo", diz Milda, que assume que nunca esperou o sucesso que a Vinted construiu nos últimos 13 anos: é que a empresa já está presente em 14 mercados, incluindo Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha e Reino Unido, entre muitos outros.

"Não esperava nada disto. Queria um projeto para mim e para os meus amigos e conhecidos, para trocar e vender coisas, não tive logo uma ideia de negócio a longo-prazo. Aliás, assim que nos começámos a expandir tinha muitas dúvidas, pensava que se calhar tínhamos tido sucesso na Lituânia, por acidente. E depois lançámos na Alemanha, sucesso. França, sucesso. Polónia, sucesso. Percebi que, apesar das diferenças geográficas, as pessoas têm muito mais em comum do que diferenças, principalmente as gerações mais jovens", salienta Milda Mitkute.

Mas, afinal, como funciona a Vinted? E é seguro?

O objetivo da Vinted, tal e qual como a ideia original da sua cofundadora, é que consigamos destralhar o armário e vender aquilo que já não queremos ou de que não precisamos, sempre uma maneira fácil, segura e sem taxas (caso as transações sejam diretas). "É uma plataforma feita de pessoas para pessoas, para comprar, vender e até trocar, que nos permite dar nova vida às peças que já não usamos, mas que continuam com qualidade. Da mesma forma, é uma alternativa mais barata e consciente para termos coisas novas", explica Milda Mitkute.

Já pode comprar marcas como Levi’s ou Parfois num único site. Conheça a plataforma MySpringfield
Já pode comprar marcas como Levi’s ou Parfois num único site. Conheça a plataforma MySpringfield
Ver artigo

Apesar de ter começado com roupa, na Vinted também se vendem acessórios como malas, sapatos, bijuteria, mas também tudo o que entre na nossa esfera de estilo. "Tudo o que complemente o nosso estilo pessoal pode ser vendido, como livros que gostamos de ler. Se usamos um smartwatch, por exemplo, também o podemos vender. Vá, mas não permitimos que venda o seu carro", brinca Milda.

A decoração não fica esquecida, nem tudo o que tem que ver com miúdos, algo que também permite um consumo mais consciente, segundo a cofundadora da Vinted. "Podem vender e comprar roupa para os mais pequenos, livros infantis, carrinhos de passeio, brinquedos. Aliás, acho que nos brinquedos faz realmente sentido comprar em segunda mão, em nome do nosso ambiente. Sentia-me super culpada de cada vez que comprava um brinquedo de plástico para os meus filhos. Agora, eu e o meu marido fazemos sempre questão de comprar a outros pais."

Vinted
Para vender artigos, e depois de se registar no site, basta fazer upload das peças.

Em Portugal, para além de os consumidores nacionais poderem vender ou comprar artigos no nosso País, estes estão também ligados a França e Espanha — o que significa que será mais fácil vender as peças online e temos mais “armários” para pesquisar.

Para vender, depois de se registar na plataforma, basta fazer upload das fotografias dos artigos e descrevê-los, recebendo 100% do valor da venda (em transações diretas). Se está a comprar, pode sempre gravar as suas preferências para descobrir oportunidades novas sempre que visitar o site.

E se já está a pensar na segurança, existe uma espécie de seguro para garantir que nada falha — desde que faça as transações via Vinted, dado que também pode escolher fazê-las diretamente com o outro membro. O Buyer Protection (proteção do comprador) cobre um pagamento integrado e um sistema de transporte: a Vinted facilita o pagamento entre dois utilizadores, evitando que se partilhem dados pessoais e informações bancárias entre si.

Como parte deste sistema, o dinheiro da transação fica pendente num fornecedor externo e o comprador tem até dois dias após a data da entrega para confirmar se correu tudo bem com a transação ou suspendê-la se tiver algum problema, para que a equipa de de Apoio ao Cliente possa ajudar a resolver a questão. Se se verificar que o artigo não está como anunciado ou se tiver sido danificado/perdido no transporte, o comprador recebe o seu dinheiro de volta. Este serviço tem uma taxa associada de 5% do valor total do artigo e uma taxa adicional de 0,70€. 

A plataforma da Vinted está disponível através do site ou do download gratuito da app, disponível para Android e iOS.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.