Atenção: este texto contém spoilers sobre a série da HBO Max "The Last of Us". 

Não comecei a ver "The Last of Us" assim que saiu porque tenho (ou tinha) um enorme preconceito em relação a videojogos. Nunca percebi muito bem a utilidade de passar horas a fio a dar tiros ou a construir cenas e a minha experiência mais próxima com essa realidade aconteceu ainda durante a adolescência, quando ia para casa da minha vizinha jogar Sega Mega Drive e afogar o Sonic ou quando o meu primo me deixava jogar Doom no computador dele.

Quando a agitação em torno da série começou, limitei-me a rebolar os olhos e a pensar: "ó não, mais uma cena para deixar os geeks excitadinhos!". Mais uma vez, puro preconceito e estupidez da minha parte. Depois, comecei a ler muitos, mas mesmo muitos artigos sobre a série, análises de pessoas cuja opinião respeito, como Nuno Markl, a elogiarem a adaptação televisiva do videojogo de 2013 criado por Neil Druckmann.

E decidi que tinha de, pelo menos, ver um episódio. As narrativas pós apocalípticas, em especial as com zombies e afins, nunca me fascinaram particularmente e o primeiro episódio de "The Last of Us" parecia encaminhar-se para uma nova versão de "The Walking Dead". E isso deixou-me de pé atrás, mas não o suficiente para não continuar. Ao segundo episódio, a série da HBO Max foge por completo dessa linha e vai mostrando lentamente aquilo que é: uma história de amor com todas as dimensões maravilhosas, aterradoras e cruéis que o amor pode encerrar.

O sétimo episódio de "The Last of Us" está disponível desde segunda-feira, 27 de fevereiro e, no espaço de menos de um mês, posso afirmar com alguma segurança que estou "ligeiramente" obcecada com a série. Não só com Pedro Pascal, o ator que dá vida a Joel e que é consensualmente apelidado de "daddy da internet" (admito, tenho um crush), mas também com Bella Ramsey, que dá vida a Ellie, e com todo o universo "The Last of Us".

Após cada episódio oiço o podcast, onde Craig Mazzin e Neil Druckmann, criadores da série, explicam ao detalhe a história, a banda sonora, as semelhanças com a história do jogo e as alterações que fizeram, as personagens que acrescentaram, os dilemas que encontraram para resolver questões geográficas ou mesmo de logística.

Dei por mim a ir ao Youtube ver vídeos sobre cordyceps, o género de fungo que, na história de "The Last of Us", sofre uma mutação, alterando para sempre a história da Humanidade. Não sigam o meu exemplo, a não ser que queiram ter pesadelos com formigas trucidadas por braços vegetais. 

Mas o momento de viragem aconteceu quando, num final de tarde insuspeito, me pus a ver o terceiro episódio. E esta é a recomendação que faço a toda a gente (em particular a pessoas que não têm qualquer ligação ao mundo dos videojogos ou não gostam do subgénero thriller pós apocalíptico): vejam só o terceiro episódio. Além de ser uma narrativa isolada, que se compreende mesmo não tendo visto os episódios anteriores, é provavelmente do que de melhor se fez em televisão nos últimos anos. Vou atirar-me para fora de pé e dizer que é o mais belo episódio de uma série da era do streaming (contradigam-me, vá, tenho argumentos).

Num mundo em que as relações interpessoais foram para sempre dilaceradas por uma pandemia (o trauma coletivo da COVID-19 ajuda, em particular neste episódio, a sentirmos empatia pelos protagonistas), um amor improvável acontece. É um amor entre dois homens, mas podia ser entre duas mulheres, ou entre um homem e uma mulher. É indiferente. O que é belo, e esperançoso, e também cruel, é a forma como a história deste amor está contada, como nasce, uma inevitabilidade, como acaba, também de forma tão bonita e tão triste. Bill (Nick Offerman) e Frank (Murray Bartlett), os protagonistas desta relação, são o par romântico que precisávamos de conhecer em 2023, num mundo em guerra e pós-pandémico.

Tive de colocar o episódio em pausa, tais eram as lágrimas e os soluços, com medo que os vizinhos achassem que eu estava a ter uma crise qualquer. E não, não estou a exagerar nem estava especialmente frágil naquele dia. É mesmo o efeito "The Last of Us".

The last of us episodio 3
Bill (Nick Offerman) e Frank (Murray Bartlett) créditos: hbo max

Joel (Pedro Pascal) é um homem sem esperança porque a sua razão de viver, a filha, morreu na noite do início da pandemia. Ellie (Bella Ramsey) é uma órfã que esconde um segredo que poderá salvar a Humanidade. Encontram-se por acaso mas vão, ainda que contrariados, ter de seguir viagem juntos. E, aos poucos, cresce entre os dois uma ligação improvável, mas também a ligação mais visceral que nós, humanos, podemos sentir: o amor de um pai por um filho.

"The Last of Us" já tem segunda temporada confirmada, mas é provável que demore uns aninhos. Saiba tudo
"The Last of Us" já tem segunda temporada confirmada, mas é provável que demore uns aninhos. Saiba tudo
Ver artigo

Ao longo da primeira temporada, as relações humanas, as ligações que criamos uns com os outros para sobrevivermos, estão sempre presentes, seja a dos irmãos Sam (Lamar Johnson) e Henry (Keivonn Woodard), no quinto episódio, seja a amizade / amor de Ellie e Riley (Storm Reid), no sétimo episódio, ou até mesmo a relação turbulenta que o próprio Joel tem com o irmão, Tommy (Diego de Luna). 

Ellie (Bella Ramsey) e Riley (Storm Reid) the last of us
Ellie (Bella Ramsey) e Riley (Storm Reid)

Qualquer que seja a nossa idade, a do telespectador, é inevitável sentirmo-nos no lugar daquelas personagens, seja pelas nossas próprias perdas ou fragilidades, seja pela vontade que temos em vê-los protegidos, seja da FEDRA (Federal Disaster Response Agency, autoridade militar que controla o país desde o início da pandemia), seja dos infetados (que vão desde os simples runners, humanos infetados há poucas horas, até aos horripilantes bloaters, que sobreviveram vários anos à infecção e adquiriram força e tamanho monstruosos). 

O nono (e último) episódio da primeira temporada de "The Last of Us" fica disponível na plataforma de streaming HBO Max a 13 de março. A série já foi renovada para uma segunda temporada.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.