A Hug-a-Group é uma startup criada com o objectivo de tornar o apoio de saúde mental acessível a todos, através de grupos de suporte online. Pedro Trincão Marques, CEO da Hug-a-Group, criou esta aplicação onde qualquer pessoa pode aceder a grupos de apoio sobre os mais variados temas — desde distúrbios alimentares, ansiedade, mindfulness, entre outros — moderados por psicólogos e realizados através de vídeo-chamada. 

 “Os grupos de suporte/terapia de grupo são difíceis de encontrar e costumam ser associados ao tratamento de abuso de substâncias ou álcool. No entanto, estes grupos são extremamente eficazes na melhoria de outras condições de saúde mental, as quais afetam cada vez mais portugueses, tais como a depressão e a ansiedade. Os benefícios inerentes à terapia de grupo são inúmeros, e contribuem para a criação de uma rede suporte que é crucial para a diminuição do sentimento de solidão, que tantas vezes nos consome”, confidencia Pedro.

Pedro Marques, CEO da Hug-a-Group
Pedro Marques, CEO da Hug-a-Group

Através da app, e para além dos grupos de suporte, o utilizador beneficia de vídeos e exercícios guiados de auto-ajuda para que possa trabalhar em questões de forma individual e tornar o seu crescimento mais consistente. Existe ainda uma comunidade onde o utilizador pode desabafar, de forma anónima, e assim aumentar o sentimento de coesão e comunidade, afastando a sensação de isolamento. Desta forma, o que pode esperar destas sessões é um sentimento de identificação com o outro e uma ligação a pessoas que estão a passar por situações semelhantes, fazendo parte de uma terapia de grupo entre 3 a 6 pessoas. Ao mesmo tempo é acompanhado por profissionais que fazem uma mediação nesses grupos e que seguem uma metodologia de terapia cognitiva-comportamental onde são discutidas estratégias com base na ligação e empatia.

“Acreditamos que um produto como o nosso pode ter muito impacto na vida das pessoas, ainda para mais em plena pandemia, onde o contacto humano é reduzido. Isso tem-se visto nos testes que temos vindo a fazer, com impactos positivos visíveis logo após 3 sessões feitas. A ligação de grupo em torno de um problema comum é muito forte”. Para Pedro, se “a questão da saúde mental antes da pandemia era importante, agora é ainda mais. O aumento da incerteza, o medo de sermos infectados, o facto de não vermos os nossos amigos e familiares, tudo isso gera ansiedade. Este problema actual de saúde pública juntamente com um problema de saúde mental que já existia e com a crise económica que daqui advém com a falta de emprego e diminuição de rendimentos cria um cocktail explosivo que afeta a saúde mental de muitos”.

Mental health
créditos: Unsplash

Segundo a DECO, em Portugal, o preço de uma sessão de terapia individual é em média 55€, algo que fica acima das possibilidades da maior parte dos cidadãos. Para além disso, optar pelo serviço público pode levar a vários meses de espera. Por estas razões, muitas pessoas podem optar por ignorar ou colocar as suas necessidades a nível da saúde mental em segundo plano, o que traz consequências para o seu bem-estar e sucesso, bem como para a qualidade das suas relações.

A aplicação oferece um preço competitivo que começa nos 15,90€/sessão, e que varia consoante o numero de sessões desejadas por cada utilizador. Sao três os planos disponíveis e os custos variam entre os 15,90€ pelo plano mensal (1 sessão), 29,90€ quinzenal (2 sessões) e 56,90€ semanal (4 sessões). Através da Hug-a-Group consegue assim realizar 4 sessões de terapia pelo preço de uma sessão tradicional.

Hug
créditos: @hugagroupapp

Mas para celebrar o Dia Mundial da Saúde Mental, a Hug-a-Group vai oferecer no dia 10 de Outubro um mês gratuito às primeiras 150 pessoas que se registarem, o que inclui acesso a todo o conteúdo interativo da app e a duas sessões de grupo. Para isso, a startup já disponibilizou no seu website um pré-registo para aqueles que queiram usufruir da oferta, que pode ser acedido aqui.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.