De acordo com a UNAIDS, desde que se conheceu o primeiro caso de SIDA, já foram registados 78 milhões de pessoas infetadas e 35 milhões morreram de doenças relacionadas ao vírus VIH. A organização espera que, até 2030, se acabe com esta doença. Em Portugal, segundo a Associação para o Planeamento da Família, já foram registados mais de 14 mil casos desde 1983.

Não existia conhecimento de uma cura para a SIDA, até agora. O jornal "The New York Post" dá conta de que um grupo de investigadores da Faculdade de Medicina Lewis Katz e da Universidade de Medicina do Nebraska, conseguiu eliminar o vírus VIH de um animal vivo pela primeira vez.

“Oh, doutor, mas eu não tenho mais ninguém, só o meu gato”. Como viviam os doentes com sida nos anos 80 e 90
“Oh, doutor, mas eu não tenho mais ninguém, só o meu gato”. Como viviam os doentes com sida nos anos 80 e 90
Ver artigo

No estudo publicado esta terça-feira, 2 de julho, na revista "Nature Researchs", os cientistas explicaram que é possível eliminar o vírus de células e órgãos de animais infetados através de um método conhecido como LASER ART, que evita que o vírus se multiplique.

"O nosso estudo mostra que o tratamento para anular a multiplicação do VIH e bem como a terapia de edição genética, quando administrados ao mesmo tempo, podem eliminar o vírus de células e órgãos de animais infetados", afirmou o investigador Kamel Khalili, citado pela revista "EurekAlert".

Quer deixar de fumar ou de roer as unhas? Esta pulseira pode ajudar
Quer deixar de fumar ou de roer as unhas? Esta pulseira pode ajudar
Ver artigo

Segundo a mesma revista, os métodos até agora utilizados para tratar o vírus da SIDA não conseguiam eliminá-lo do corpo dos infetados, ou seja, reduzia a sua multiplicação mas não o eliminava. Conseguiram-no agora ao utilizar este método conhecido como TAR em conjunto com o LASER ART parece ser o caminho a seguir — já que é uma tecnologia nova. 

"Queríamos ver se o LASER ART poderia suprimir a replicação do VIH por tempo suficiente para que o CRISPR-Cas9 [tecnologia utilizada anteriormente pelo investigador] eliminasse completamente as células do DNA viral", explicou Kamel Khalili. Nas experiências realizadas com ratos infetados, cerca de um terço ficou sem o vírus VIH. 

Depois de ter resultado em roedores, o próximo passo será testar em primatas e, posteriormente, fazer ensaios em seres humanos.

"Agora temos um caminho claro para avançar para testes em primatas não humanos e possivelmente fazer ensaios clínicos em pacientes humanos durante o ano", revelou o investigador.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.