Não vamos estar aqui com grandes rodeios. A partir de hoje, vai querer que a sua empresa esteja na Amazon. Ou, mais concretamente, que possa vender os produtos da sua empresa na Amazon para centenas de milhares de utilizadores que, diariamente, usam a plataforma para comprar artigos para casa, trabalho ou escola.

As vantagens são várias. Mas vamos começar pelo essencial: o facto de qualquer empresa portuguesa poder começar já a vender no Marketplace — onde já estão empresas da lista da Fortune 500, marcas próprias ou revendedores — de forma rápida e sem grandes complicações.

Para isso, só precisa de registar-se como vendedor da Amazon e ter junto a si alguns dados.

Depois disto, é importante que escolha o seu plano para começar a vender na Amazon — e há dois. O plano Individual destina-se a quem vender menos de 40 produtos por mês e não precisar de ferramentas avançadas para análise das vendas, custando 0,99€ mais comissão percentual por cada artigo vendido.

O plano Profissional, por sua vez, está direcionado para quem tenciona vender mais de 40 produtos por mês e precisa de ter acesso a relatórios avançados e detalhados de vendas. Neste plano, o custo inclui uma mensalidade de 39€ por mês e uma comissão por cada produto vendido (pode consultar as comissões aqui). Pode trocar de plano a qualquer altura.

A partir daqui, é começar a vender na internet na Amazon, onde já estão empresas portuguesas como a Devir, a Delta, a Renova, o Sport Lisboa Benfica ou até a Claus Porto.

Como vender mais (e para milhões de utilizadores)

Ser vendedor no Marketplace da Amazon significa apenas uma coisa: passar a estar integrado numa rede comercial que alcança centenas de milhões de clientes que usam diariamente a plataforma para fazer compras.

Isso traduz-se, claro, num maior número de vendas potenciando o crescimento do negócio da sua empresa. E não é só a Amazon que o diz.

A empresa portuguesa My Skin Concept, que também está inserida no Marketplace da Amazon, partilha da mesma visão. Além de deter uma farmácia — a Farmácia Serrano, localizada no centro do País —, a marca expandiu-se para se posicionar como "uma empresa virada para o mundo", explica Marina Leal, CEO da My Skin Concept. Para isso, foi criada uma loja online com o objetivo de fazer chegar uma variedade de produtos, que vão desde a dermocosmética aos suplementos, a um mercado cada vez mais amplo.

"Numa era em que os marketplaces fazem parte dos negócios online, a Amazon surgiu naturalmente no nosso percurso e tem vindo a acrescentar muito à nossa história", explica Teresa Leal, Head of Digital da empresa.

Trabalhar com a Amazon, diz Teresa Leal, "tem inúmeros benefícios", como o facto de significar uma "porta aberta para um público gigantesco" quando comparado com aquele que a marca consegue atingir com a sua loja online.

Além disso, a responsável pelo posicionamento da My Skin Concept no digital destaca ainda o apoio logístico que a Amazon dá e que "entrega ao cliente uma qualidade de serviço e rapidez de entrega" capaz de melhorar a imagem da marca no mercado.

"O conselho que podemos dar a quem está a pensar em vender na Amazon, é que se preparem para a avalanche que vai chegar ao vosso negócio", continua, precisamente pelo acesso imediato a milhões de novos utilizadores espalhados um pouco por toda a Europa.

As vantagens do apoio logístico e dos envios super rápidos

Ainda que possa continuar a manter o controlo de todo o inventário e a gerir o envio dos seus produtos para os clientes, ao tornar-se vendedor da Amazon passa a ter acesso imediato ao apoio logístico da empresa.

Isto significa que a Amazon poderá encarregar-se de tratar da embalagem, etiquetagem e envio de encomendas. Terá de enviar o seu inventário para a Amazon que, depois de lido de forma eletrónica, será disponibilizado para venda.

Com o serviço Logística da Amazon, poderá armazenar o seu inventário nos mais de 175 centros de distribuição da empresa que contam com mais de 150 milhões de metros quadrados. Mas as vantagens não se ficam por aqui, já que passa a ter acesso também ao serviço de apoio ao cliente e aos envios Prime que, além de gratuitos, são muito rápidos para o cliente.

Quando um artigo é vendido, a Amazon recebe o pagamento do cliente e transfere os fundos para a conta do vendedor a cada duas semanas. Se houver alguma inconformidade com a encomenda, é o serviço de apoio da cliente da própria Amazon que tratará de manter o contacto com o cliente, bem como agilizar devoluções ou reembolsos.

Enquanto vendedor da Amazon, terá ainda acesso ao Seller Central, o painel de controlo que lhe permitirá controlar o inventário, acompanhar as vendas diárias, ter acesso a relatórios de vendas e a outros materiais estatísticos que visam potenciar o seu negócio online.

E o melhor de tudo? É que não precisa de uma sociedade anónima para começar a vender produtos online na Amazon. Na verdade, pode começar a vender tendo uma empresa ou enquanto proprietário individual para maximizar a receita da sua empresa.

O que não falta, são histórias de sucesso. "Passámos a vender 4 a 5 unidades por dia e a vender mais de 1.000 unidades durante a noite", diz Michael Corrigan, CEO da TRTL, cuja empresa é uma das que faz parte do Marketplace da Amazon. Outro dos testemunhos é o de Fernando Rodriguez de Rivera, diretor geral de Bodegas y Viñedos Pradorey, que também está na Amazon.

"Se 3% das vendas mundiais de vinho são online, nós temos 11%. A Amazon é o website de terceiros onde mais vendemos", diz.

Pode ler outras histórias de sucesso e esclarecer todas as dúvidas sobre como tornar-se vendedor da Amazon aqui.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.