Numa altura em que cada vez mais nos dedicamos a atribuir sentenças sobre os mais variados assuntos nas redes sociais, surge uma rubrica adequada ao contexto. É que, a partir de 15 de novembro, no "Jornal da Meia-Noite", da SIC Notícias, os argumentistas Manuel Cardoso, Cátia Domingues, Guilherme Fonseca e Cláudio Almeida — os mesmos que escrevem para "Isto É Gozar Com Quem Trabalha" — vão dar as suas sentenças sobre uma série de assuntos. E tudo isto em apenas cinco minutos.

A relação entre o contexto atual e a génese do formato não escapa a Cátia Domingues. "Fazemos sempre um juízo e, na verdade, nós [referindo-se a todos os intervenientes do projeto] não somos muito diferentes do cidadão comum já que não somos imparciais nem estamos munidos de toda a informação sobre o assunto que vamos abordar. E julgamos. Estamos, permanentemente, a julgar coisas com mais ou menos informação", diz, por telefone, à MAGG.

Joana Marques. "Ser humorista tornou-se numa profissão da moda"
Joana Marques. "Ser humorista tornou-se numa profissão da moda"
Ver artigo

Nesse sentido, garante que esta rubrica, chamada "Pancada de Meia-Noite", "não será muito diferente", podendo, quem a vir, identificar-se mais ou menos, ainda que o objetivo não seja esse, mas sim "fazer uma coisa com graça sobre um tema da atualidade". Seja ele qual for.

A ideia, explica-nos o humorista Guilherme Fonseca, surge de um desafio proposto por Bernardo Ferrão, diretor adjunto da SIC e Ricardo Costa, diretor de Informação da SIC Notícias, de "fazer uma coisa que tivesse humor político e de atualidade", e que pudesse ressoar nacional ou localmente.

"Num País em que a justiça é considerada lenta, nós vamos ser muito rápidos a julgar. Vamos pegar num caso ou em alguém — desde o João Rendeiro à Web Summit ou ao pin que o Chicão tem no casaco — e julgar. Vamos passar uma sentença na condição de péssimos juízes irresponsáveis que somos", explica o humorista.

"A justiça está, cada vez mais, nas notícias, com casos judiciais mediáticos e juízes a falar em direto na televisão. Tudo coisas que, há dez anos, não se imaginavam. E as pessoas, com as redes sociais, são mais injustas a julgar tudo e todos", diz Fonseca, na medida em que cada um tem uma opinião sobre tudo.

"Quisemos misturar esses dois lados e, nós próprios, ditar sentenças sem ter qualquer justiça nas nossas palavras", refere. Haverá argumentos para justificar cada sentença dada, mas o humorista não garante que façam sempre sentido. Nem é isso que se espera deles.

Em termos de escrita, e ao contrário do que acontece em "Isto É Gozar Com Quem Trabalha", aqui o processo de criação é mais individualista, uma vez que cada argumentista escreve para si próprio. Isso não significa, no entanto, que não comentem o trabalho uns dos outros.

"A escrita é individual. Cada um escreve o seu, mas obviamente que falamos, até porque já temos bastante confiança uns com os outros e podemos partilhar as nossas inseguranças e pedir opinião entre os quatro. Mas é uma escrita individual", assegura Cátia Domingues.

A cada dia da semana, um rosto diferente

"Apesar de, desde há uns anos para cá, estarmos a escrever para uma coisa que é meio uniforme porque a voz é a mesma [referindo-se aos formatos que têm Ricardo Araújo Pereira como rosto], nesta rubrica pode ser engraçado pelo facto de sermos os quatro bastante diferentes e com gostos também eles diferentes", continua.

Sobre o processo de escrita, descreve-o como sendo mais desafiante pelos motivos óbvios. Não só pela gestão de tempo, uma vez que cada rubrica não pode exceder os cinco minutos de duração, mas também porque, desta vez, é a sua voz e o seu rosto que vão estar a acompanhar aquilo que a própria escreveu.

Eles vão dar sentenças em
Da esquerda para a direita, os argumentistas e protagonistas da rubrica: Cláudio Almeida, Guilherme Fonseca, Cátia Domingues e Manuel Cardoso

"Agora temos de entregar e interpretar aquilo que escrevemos. Já gravei o [episódio] piloto e embora haja um texto composto pelas graças que escrevi, e uma câmara, não há retorno nenhum", diz a argumentista. Não há público, portanto. Nem gargalhada audível de uma plateia.

"O meu público era composto pelos técnicos de câmara". Quando lhe perguntamos se os fez rir durante as gravações diz, rindo-se, achar que sim.

"Pancada de Meia-Noite" deverá passar por volta das 00h45 e de segunda a quinta-feira, a partir de 15 de novembro, será uma pessoa diferente do grupo a dar a cara. Manuel Cardoso fica com a segunda-feira, Cátia Domingues com a terça, Guilherme Fonseca com a quarta e Cláudio Almeida com a quinta. Depois da emissão diária, o segmento será disponibilizado nas redes sociais da SIC Notícias.

Quando for para o ar, no linear, já estará gravada. "Felizmente, a SIC Notícias não nos vai fazer esta maldade de nos pôr a entrar em direto quase à uma da manhã. Vamos gravar durante o dia e vai para o ar à noite", refere Guilherme Fonseca.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.