O "Got Talent Portugal" regressa em janeiro de 2024, com dois novos jurados e algumas diferenças. Para José Fragoso, diretor de programas da RTP, os jurados são “essenciais na seleção e eficácia do programa”. E, na próxima edição, além do “dinossauro” Manuel Moura dos Santos, e do o repetente Rui Massena, estreiam-se dois “bichos televisivos”: Inês Aires Pereira e Filomena Cautela. Sem esquecer a condutora dos programas, Sílvia Alberto, que considera “um prazer receber este novo painel de jurados”.

“Got Talent Portugal” está de volta. Saiba quem são os novos jurados (bem conhecidos)
“Got Talent Portugal” está de volta. Saiba quem são os novos jurados (bem conhecidos)
Ver artigo

Apesar da mudança no painel de jurados que, para a apresentadora, “já merecia uma renovação”, a génese continua a ser a mesma. “Continuamos à procura de talentos que queiram subir ao maior palco do mundo”, diz Sílvia Alberto. No entanto, existem algumas diferenças tal como “a estética, a abordagem do ponto de vista da realização e sem dúvida a atitude do painel de jurados". Mas o objetivo mantém-se. “Encontrar uma grande atuação de televisão para ganhar o 'Got Talent'”, refere Filomena Cautela.

got talent portugal oitava edição
Inês Aires Pereira créditos: RTP

Dos colegas à produção, passando pelas difíceis decisões, são vários os aspetos com que as novas caras do painel de jurados têm aprendido a lidar ao longo dos primeiros dias de gravações. “Aqui já chorei, já me arrepiei”, começa por referir Inês Aires Pereira, algo corroborado por Filomena Cautela. "Temos rido muito, chorado a rir, chorado mesmo de tristeza, temo-nos divertido muito, discutido muito também mas sei que levo daqui três grandes amigos. Tem sido um prazer do caraças estar ao vosso lado", diz a apresentadora de "Programa Cautelar".

got talent portugal oitava edição
Filomena Cautela créditos: RTP

Filomena Cautela descreve o papel de jurada como "uma experiência verdadeiramente aterradora". "No bom e no mau sentido. Estar ali sentado naquela cadeira é muito diferente. Nós temos as pessoas ali, nós sentimos os nervos das pessoas à nossa frente, de facto os espetáculos ao vivo são diferentes dos espetáculos na televisão, por uma razão, e esta é uma delas", salienta.

Já Inês Aires Pereira sente-se “como um telespectador no sofá". "Não estou aqui para julgar grande técnica, estou aqui para julgar o que as pessoas me transmitiram, se eu senti alguma coisa ou se não senti. Porque eu sei o que é que é estar do outro lado, sei o que é sentir os nervos", diz a atriz.

Entre as atuações e as histórias de vida, fica difícil decidir quem merece um sim ou um não. Depois, surge a pergunta que assola os jurados: 'mas quem sou eu para estar a dizer que não ou que sim a alguém?'. Inês Aires Pereira confessou que, nesta fase, tem “muita dificuldade em dizer 'não' às pessoas, ou dizer às pessoas para irem para casa”. "Apesar de não querer destruir os sonhos a ninguém, o nosso trabalho é encontrarmos uma grande atuação de televisão para ganhar o 'Got Talent'.”

Apesar de já ser um repetente (esta é a segunda vez que ocupa a cadeira de jurado no "Got Talent Portugal"),  dizer 'não' para Rui Massena é algo ainda difícil, por não existir um critério único, o que complica as coisas. “Como é que se compara um acrobata com um pianista?”, reflete o maestro e compositor.  “É muito difícil dizer que não porque as histórias às vezes misturam-se.” refere o jurado, que já viveu esta experiência em 2015.

No entanto, o maestro explica que “há um sistema de mérito definido, tem regras definidas e depois os critérios são aquilo que alguém traz para palco". "A pessoa analisa o que se passou aqui, não pode estar a imaginar o que é que ela podia fazer, mas por outro lado também temos de reconhecer se ela tem ou não tem talento e se poderia, numa próxima vez, voltar mais empoderada.”

O veterano Manuel Moura dos Santos, no formato desde 2015, também tem algo a dizer. “Tem de haver uma seleção. Tem de haver um critério. Muitas vezes é difícil abstrairmo-nos de casos pessoais ou histórias que nos comovem, ou nos impressionam, mas fazemos o possível para que isso não seja um obstáculo na nossa avaliação. Nem sempre é possível, porque há casos e histórias absolutamente extraordinárias das quais é difícil abstrairmo-nos”.

O programa de talentos da RTP1 estreia em janeiro de 2024. Vai ter 12 programas, sete deles gravados e os restantes cinco em direto aos domingos à noite.

Veja as fotos da apresentação

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.