Arrisco dizer que há já pouca paciência para o polícia bonzinho de séries como "CSI" e similares. O espectador sabe, talvez por influência da própria televisão, que não há pessoas inteiramente boas ou más e que, por isso mesmo, aqueles que aplicam a lei não têm (nem devem) ser o arquétipo da perfeição. Assim, a ficção foi encontrando os seus polícias carismáticos, geralmente sofridos, moralmente complexos e de conduta ética muitas vezes questionável.

"Hinterland", inteiramente disponível na Netflix, é um desses exemplos. A história acompanha os esforços de um detetive especial da polícia que tenta, a todo o custo, resolver casos complexos e macabros. Embora seja galesa, a compra dos direitos pela BBC implicou que a série tivesse de ser filmada uma segunda vez e inteiramente em inglês.

E esse esforço é capaz de transparecer no rosto do protagonista, Richard Harrington, que só teve direito a um dia de folga durante os 124 dias de gravações. A sua personagem, como qualquer polícia da ficção moderna, é sofrida, enigmática, errante e com um passado difícil com o qual precisa de se reconciliar. E isso faz dele um agente perspicaz, brilhante e pouco impressionável quando os cenários de crime que encontra são sangrentos e violentos.

Tal como "Broadchurch" ou "Luther", outras duas das sugestões da MAGG para um serão bem passado em frente à televisão, "Hinterland" distingue-se por ter personagens com várias camadas, uma história mais negra do que o costume e uma densidade pouco habitual quando o tema é o típico dilema de polícias em busca de criminosos.

12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
12 séries emocionantes que nos fizeram (e ainda fazem) chorar
Ver artigo

Mas também sugerimos "Line of Duty", da mesma mente que criou "Bodyguard". Aqui acompanha-se o departamento de anti-corrupção da polícia britânica que, logo na primeira temporada, se vê a braços com a revelação de que outros agentes podem estar envolvidos numa ampla rede de crime organizado. E se já está a torcer o nariz com a ideia, continue a ler.

É que aqui não há perseguições a alta velocidade nem reviravoltas clichés (embora os twists na história sejam vários e façam a história ir dos 0 aos 100 muito depressa), e toda a tensão dos episódios acontece durante as sessões de interrogatório que devem ser das mais duras que alguma vez foram feitas em séries de televisão.

Além de ser uma série britânica — o que implica um mood e um ambiente mais negro e denso —, o argumento não tem falhas e os diálogos são pensados ao pormenor para que cada interação entre as personagens seja irrepreensível e sirva para avançar a história e nunca recuar. O que significa que também não há episódios chatos e que nada acrescentam à narrativa. Mas há mais coisas para ver além de séries britânicas e galesas.

Mostramos-lhe 11 séries policiais intensas para viciar em frente à televisão.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.