Parece que se está a criar uma espécie de tendência com séries de televisão que, depois de uma primeira temporada com um final coerente e fechado, se arrastam para uma segunda temporada sem necessidade ou propósito. Foi assim com "La Casa de Papel", "Big Little Lies" e, agora, "Por Treze Razões" — o drama juvenil que está a dar que falar desde que estreou pela primeira vez na Netflix em março de 2017.

Cinco meses depois da morte de Hannah Baker (Katherine Langford) e de as 13 cassetes que esta deixou terem sido tornadas públicas, a segunda temporada começa com o julgamento que opõe os pais de Hannah e a escola que a filha frequentava. A acusação? Que a escola nada fez para ajudar a aluna que, após vários meses de abuso físico e psicológico, decidiu pôr termo à vida.

A premissa é desinteressante mas, bem vistas as coisas, é a única possível quando a ideia era dar seguimento aos acontecimentos da primeira temporada. Na verdade, os problemas começam muito antes da estreia dos novos episódios. É que, nas várias imagens promocionais que foram sendo publicadas pela Netflix nas redes sociais, as ideias transmitidas eram duas: que ao invés das cassetes, seriam as fotografias Polaroid a ganhar relevo, e que para cada história havia sempre dois lados, ou duas versões dos factos.

Assim, os novos episódios de "Por Treze Razões" começam com a ideia base de que nós, espectadores, não conhecemos por completo a história que nos foi apresentada. Há muito mais a saber acerca da morte de Hannah, dos seus colegas e de tudo o que a levou ao limite. Na primeira temporada, porém, foi-nos dito que aquela era toda a verdade acerca do que tinha acontecido e que poderíamos fazer juízos de valor com base apenas nas cassetes.

Aparentemente não é bem assim e houve a necessidade de reescrever grande parte do passado da personagem principal — até porque esta segunda temporada nunca esteve planeada. Assim, à história de Hannah foram adicionados alguns elementos (como sexo e o abuso de álcool e drogas) com o único intuito de chocar e obrigar os espectadores a rever a primeira temporada com um olhar mais crítico, cientes de que agora há mais informação que antes não tinha sido disponibilizada.

Mas se a primeira temporada fez questão de nos apresentar a perspetiva de Hannah e reconhecer-lhe credibilidade, a segunda obriga-nos a duvidar dela enquanto narrador, já que são várias as personagens que contam diferentes versões daquilo que realmente lhe aconteceu. No meio desta confusão narrativa, onde está a garantia de que, desta vez, a história que nos está a ser apresentada é verdadeira?

A juntar a tudo isso, Hannah regressou muito diferente do que estávamos habituados: como fantasma, fruto da alucinação na cabeça de Clay (Dylan Minnette) cujo estado mental se tem vindo a deteriorar ao longo do tempo. Pior do que isso só se ambos tivessem longas e profundas conversas entre si e que, a certa altura, acabam mesmo por interferir com a ação que está a decorrer. "Agora falas?" pergunta Clay quando vê Hannah. "Sim", responde, e bom seria se se ficasse apenas por aqui. Não fica, e isto tem tanto de aborrecido como de clichê.

Nesta nova temporada há também fotografias Polaroid que vão sendo deixadas no cacifo de Clay, onde estão retratadas algumas raparigas da escola a serem vítimas de abuso sexual por parte de Bryce Walker (Justin Prentice), o grande vilão da história e o mesmo que violou Hannah e Jessica Davis (Alisha Boe). Mas se as cassetes tinham como função dar seguimento à narrativa, as fotografias parecem não ter grande propósito a não ser o de constatar o óbvio.

Hannah não foi a única a rapariga a ser violada, agredida ou assediada por Bryce e companhia, mas isso já o sabíamos desde a primeira temporada. Apesar disto, o julgamento chega ao fim com Bryce libertado após cumprir apenas um mês de pena pelo abuso sexual de Jessica. O desfecho assenta na dura realidade de que nem sempre tudo corre como é suposto — a justiça e os finais felizes são coisas da ficção e, por isso, faz algum sentido que tenha sido esse o final escolhido para a história do vilão.

Ainda se lembra do que aconteceu na primeira temporada de "Por Treze Razões"?
Ainda se lembra do que aconteceu na primeira temporada de "Por Treze Razões"?
Ver artigo

Enquanto que na primeira temporada a polémica girava em redor da violência da morte de Hannah (que cortou os pulsos na banheira de casa), parece que a segunda temporada procurou exceder-se com o único objetivo de se superar ao nível do choque e do efeito surpresa nos espectadores. Depois de Bryce ser acusado por abuso sexual, a equipa de futebol perde a bolsa de desporto, o campeonato e todo o financiamento dado pela escola. Como consequência, são vários os atletas que procuram vingança daqueles que disseram a verdade em tribunal acerca da violência dos atletas sobre os restantes alunos.

Tyler Down (Devin Druid) é quem acaba por sofrer mais quando, na casa de banho da escola, é agredido de forma violenta por um dos atletas. Além de ser quase afogado na casa de banho, ou ter a cabeça rachada devido ao embate no lavatório depois de ser empurrado, um dos atletas introduz o cabo de madeira de uma esfregona pelo ânus de Tyler. Tudo isto é gráfico e, defendem alguns fãs, gratuito, e com o único objetivo de chocar e gerar reações naqueles que estão a ver a série.

E nem se pode justificar a inclusão desta cena como demonstração de como uma personagem "boa" pode ser conduzida a atos horríveis (Tyler prepara-se para assassinar todos os colegas no baile da escola como consequência da agressão de que foi alvo), visto que também já o tínhamos visto antes com o suicídio de Hannah.

Seja como for, "Por Treze Razões" parece ser o exemplo perfeito de uma série que não sabe quando parar e é provável que seja anunciada uma terceira temporada já que, desta vez, o final não foi nada fechado e deixa a porta aberta a um possível regresso. Vão ser precisas muitas mais do que 13 razões para garantir a atenção dos fãs — e as críticas são prova disso.

A segunda temporada estreou na sexta-feira, dia 18 de maio, e conta com 13 episódios.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.